Trabalhadores e trabalhadoras galegas, entre as que mais emigram no Estado espanhol

17 de Março de 2005

A Comunidade Autónoma da Galiza ocupa o quarto lugar em emigraçom no interior do Estado espanhol, segundo o estudo encomendado polo Ministério espanhol do Trabalho ao INEM. Só a Andaluzia, Castela e Leom, Estremadura e Castela-A Mancha registam maior índice de saída de trabalhadores e trabalhadoras para outras áreas do Estado.

Em concreto, 65.673 contratos assinados durante o passado ano dam fé da saída de populaçom trabalhadora para fora da CAG, frente à assinatura na Galiza de 37.673 contratos provenientes doutras áreas do Estado espanhol, o que confirma um saldo negativo e portanto a existência de umha importante fatia de operári@s e trabalhadores obrigad@s a emigrarem. O destino mais habitual, no interior do Estado espanhol, som Madrid (com 10.467 contratos), as Canárias (com 9.813) e a Catalunha (4.096), os principais destinos laborais d@s galeg@s que trabalham fora do País, atingindo 40% do total de contratos fora da Comunidade Autónoma da Galiza.

A tendência é, com efeito, crescente, se comparada com os dados imediatamente anteriores que conhecemos. Assim, em 2002 houvera umha saída de 56.327 trabalhadores e trabalhadoras, 16,5% menos do que em 2004. É o que a doutrina económica neoliberal denomina "saldo negativo da mobilidade laboral ou geográfica", eufemismo para ocultar a crescente sangria emigratória existente no seio do nosso povo trabalhador.

 

Voltar à página principal