Sabotam stands de bancos e empresas na Universidade de Compostela

7 de Dezembro de 2004

Estudantes da Universidade de Compostela sabotárom na passada quinta-feira com tinta vermelha a exposiçom da IV Semana Galega do Empreendedor, organizada pola equipa de governo da Universidade em parceria com a Junta da Galiza.

Segunda informa AGIR no seu web nacional, a exposiçom fai parte da estratégia de irrupçom de interesses financeiros e de empresas no ensino universitário galego. Situada na Faculdade de Ciências Económicas e ADE de Compostela, os stands de bancos e empresas levárom entre 31 de Novembro e 3 de Dezembro os interesses de diversos agentes capitalistas ao seio de umha instituiçom pública académica, sem mais justificaçom que favorecer os seus fins lucrativos e especulativos sobre a comunidade universitária.

A entidade estudantil da esquerda independentista difundiu um comunicado de rechaço à citada exposiçom, que acabaria sendo finalmente atacada com lançamento de tinta, como vemos nas fotos que se seguem. Reproduzimos também o comunicado de AGIR.

 

SOMOS ESTUDANTES NOM EMPREENDEDORES
POR UM ENSINO PÚBLICO GALEGO DE QUALIDADE


Em pleno contexto de privatizaçom descarada do ensino público em geral, e do superior em particular, a denominada Semana Galega do Emprendedor cobra um significado, achamos, particularmente insultante. Esta programaçom, conformada por umha série de conferências destinadas a captar público universitário, e dirigida pola Junta da Galiza e as três universidades galegas, sob a sombra omnipresente das empresas do grande capital, tais como INDITEX, pretende dar na vista do estudantado sobre as múltiplas alternativas que supostamente nos oferta o sistema económico capitalista para o nosso "esperanzador e ilusionante" futuro laboral.

A apresentaçom desta campanha realiza-se com legendas e propostas absolutamente afastadas da realidade da mocidade estudantil galega, fazendo deste "pseudo-cursinho" universitário umha surrealista e artificiosa falácia executada desde o poder, em termos dum grau de indecência insondável, tais como Pensache o que vas fazer quando remates os teus estudos? Considerache nom ter que procurar emprego, senom criar tu própri@ o teu posto de trabalho e tomar decissons que afectem o teu futuro? Este repugnante ramalaço de burguesa prepotência que fere a vista, cuidamos nom merece comentário nengum. Consideramos suficiente estas breves linhas, que figuram no web oficial da Semana Galega do Emprendedor, para reflectir o motivo do nosso mais profundo rechaço a campanhas que, como esta, sobmetem a complicada realidade laboral do estudantado, da mocidade, e do nosso país em geral a um processo de recriaçom virtual que pretende alienar as consciências do sector estudantil universitário dos problemas a que se enfrenta, e das causas destes.

Responsabilizamos o reitor e a sua equipa dirigente pola cumplicidade para com este acto de exaltaçom mercantil, de especial gravidade agora, dadas as ingerências crescentes da empresa privada na vida estudantil da USC. Seném Barro e companhia ficam de braços cruçados, deixando o caminho livre à cada vez mais evidente introduçom da USC no mercado, onde há ser présa fácil das corporaçons, interessadas no que para elas é um produto, o ensino, cuja adquisiçom suporá a apertura duns horizontes realmente atractivos. Entende-se, porém, por pura negligência e/ou covardia, que a USC nom ouse encarar-se à Junta da Galiza com o fim de preservar a integridade da natureza pública dumha universidade esmorecente, rendida ante os incessantes embates recebidos dum órgao guvernativo, a Junta, que leva toda a sua existência em maos d@s própri@s interesad@s em fazer do nosso ensino um produto de mercado.

CONTRA A PRIVATIZAÇOM DO ENSINO!
CONTRA AS INGERÊNCIAS DO CAPITAL!
MENOS CHARLAS, MAIS INVESTIMENTO!
REITORES, JUNTA, CULPÁVEIS DA RUÍNA DAS UNIVERSIDADES GALEGAS!


 

Voltar à página principal