Autonomismo vs. construçom nacional: BNG consegue que o Governo espanhol garanta a construçom de um novo quartel da Guarda Civil em Vila Garcia

16 de Novembro de 2004

Os deputados do BNG no Congresso espanhol apresentárom umha emenda aos orçamentos do Estado em que exigiam a construçom de um novo quartel da Guarda Civil em Vila Garcia de Arouça. A proposta foi finalmente aprovada pola Comissom de Orçamentos graças aos votos do próprio BNG, do PP, de CiU e do PNB, frente aos votos contrários do PSOE e a abstençom de ERC, IU e CC.

Tal como já fijo recentemente noutras vilas e concelhos do País, deixa novamente em evidência o BNG o projecto de construçom nacional que representa, votando vergonhosas iniciativas como esta, a coro com o Partido Popular. O BNG demanda mais presença na nossa Terra do corpo militar espanhol de historial mais negro, tantas vezes representado nas láminas de Castelao como o que verdadeiramente tem representado durante o último século longo de história: o braço armado da classe dominante espanhola contra as classes populares e as naçons sem Estado submetidas ao imperialismo espanhol.

Lembremos que o BNG tem seguido igual dinámica de exigência de incremento das forças repressivas espanholas em concelhos como Vigo, Ferrol e, mais recentemente, Ordes, entre outros muitos. Fica assim mesmo bem longe da teórica aposta por forças policiais autónomas na linha das existentes no País Basco ou Catalunha, reclamando o incremento no nosso país de corpos alheios por completo a qualquer reconhecimento da Galiza mesmo a nível simbólico, como o demonstram os seus quartéis inçados de bandeiras de Espanha.

Por se a citada "vitória" parlamentar fosse pouco, o BNG conseguiu também nestes dias que a mesma Comissom aprovasse umha emenda do autonomismo galego para que se destinem 400.000 euros para a construçom de umha nova esquadra policial da Polícia espanhola na capital do nosso país, umha das cidades com maior presença policial por habitante do Estado espanhol e da Europa. Todo um sintoma da "ambiçom" com que o BNG se apresenta ante o debate das reformas estatutárias e as próximas eleiçons autonómicas.

 

Voltar à página principal