Igreja católica inicia campanha de pressom para manter posiçons no ensino público da Galiza

11 de Novembro de 2004

Dentro da reacçom provocada pola anunciada reduçom do peso da religiom católica no currículo escolar para o conjunto do Estado espanhol por parte do actual Governo, a Igreja católica anunciou na Galiza umha campanha em defesa da imposiçom da matéria de "Religiom Católica" no ensino público da Galiza.

O arcebispo de Santiago, o espanhol Julián Barro, e o bispo de Mondonhedo-Ferrol, o franquista Gea Escolano, comprometêrom-se a efectivar a estratégia desenhada em Madrid pola Conferência Episcopal espanhola, através da ofensiva ideológica a partir de mais de 3.500 paróquias e do milhar de professores e professoras de Religiom Católica existentes na Galiza. As dioceses de Santiago, Ourense, Lugo, Mondonhedo-Ferrol e Tui-Vigo confirmárom o envolvimento nesta campanha de pressom para manter os privilégios da Igreja Católica mediante umha confissionalidade de facto como a que actualmente vigora no teoricamente aconfissional Estado espanhol.

O peso da seita integrista Opus Dei nas instituiçons galegas, incluindo o Governo autónomo, garante umha adesom da Junta da Galiza às pressons que a hierarquia católica dirige às instituiçons públicas para manter o seu histórico poder de influência na formaçom educativa dos galegos e galegas.

Para além da manutençom de umha injustificável matéria académica de "Religiom", as escolas públicas galegas mantenhem-se a dia de hoje cheias de crucifixos e outros símbolos católicos, incluindo também o calendário académico celebraçons religiosas alheias ao alegado carácter aconfissional do Estado espanhol.

 

Voltar à página principal

 

 

Gea Escolano, bispo da diocese de Mondonhedo-Ferrol, militantemente reaccionário, misógino e antigalego, está à cabeça da campanha em defesa dos privilégios da Igreja Católica no ensino da Galiza