A resistência iraquiana expulsa o exército ocupante de Mossul e continua a luitar nas ruas de Falluja

14 de Novembro de 2004

As forças militares imperialistas continuam a comprovar a crescente capacidade das guerrilhas populares iraquianas nos quatro cantos do país. A resistência mantém a presença nas ruas de Falluja, quase umha semana depois do início de umha brutal ofensiva ocupante por terra e ar que terá feito já mais de 1000 vítimas mortais entre a populaçom da cidade.

Porém, a grande notícia vinha do Norte, da terceira cidade em importáncia no país, Mossul, onde as tropas norte-americanas fugírom ante a ofensiva guerrilheira. Os ataques com morteiros contra as posiçons ocupantes forçárom a fugida precipitada de ianques e sipaios. A seguir, a resistência tomou a cidade e começou a patrulhar as ruas e os principais prédios públicos da mesma, sem que se visse nengum militar em todo Mossul. Previamente, meia dúzia de esquadras policiais foram tomadas ao assalto pola guerrilha patriótica.

Avions norte-americanos recomeçárom entom os bombardeamentos sobre Mossul, confirmando a perda de controlo da mesma. Portanto, o comando ianque nom só nom deu controlado a situaçom em Falluja, apesar da carnificina que está a provocar, senom que perdeu o controlo da terceira maior cidade iraquiana.

Mas o avanço guerrilheiro nom fica por aí. Também em Ramadi as forças estado-unidenses tivérom que repregar-se, com a resistência a controlar os bairros centrais da cidade, 100 km a Oeste da capital. O mesmo aconteceu em Al Hauija, a Norte, onde a guerrilha tomou diversos edifícios governamentais e grupos armados com lança-granadas ARPG e fusis de assalto Kalashnikov fam recuar as posiçons dos ocupantes. As mesmas cenas repetem-se em Amerija e Ghazalia.

Quanto a Falluja, o comando militar imperialista di controlar 70% da cidade, o que confirma que ainda nom conseguírom expulsar a resistência apesar da superioridade militar, em efectivos e armamento (15.000 soldados frente a entre 1.200 e 3.000 guerrilheiros). Os porta-vozes ianques recusárom-se a dar datas para a culminaçom da tomada da heróica cidade do Sul do país, em cujas ruas se amontoam os cadáveres resultantes do massacre que os EUA estám a provocar. Além disso, organismos internacionais de ajuda humanitária confirmárom que os ianques estám a impedir o envio de ajuda médica e medicamentos ao interior da cidade.

 

Voltar à página principal

 

 

A guerrilha patriótica está a deixar em evidência o exército melhor armado do mundo com a sua liçom de coragem e audácia
A populaçom adere massivamente à causa da libertaçom nacional ante o desespero repressivo e genocida do imperialismo ianque
Cada habitante de qualquer vila ou cidade iraquiana é um potencial inimigo das forças de ocupaçom, e como tal tratado
Detençons massivas e arbitrárias acompanham o avanço imperialista nas ruas de Falluja