O PSOE, Fraga, a Galiza e a nossa língua

14 de Abril de 2005

Reproduzimos a seguir um artigo de Igor Lugris em que se reflecte sobre a recente retirada por parte do PSOE de umha proposta, anteriormente apresentada polo próprio PSOE no Parlamento galego, para a promoçom do galego-português nos territórios galegofalantes excluídos da actual Comunidade Autónoma Galega.

 

O PSOE, Fraga, a Galiza e a nossa língua

O PSOE (autodenominado PSdG-PSOE na Galiza administrativa) nom defende o galego nem dentro nem fora da CAG.

Inteiro-me polo foro de debate do web de Fala Ceive, que o PSOE retirou a sua proposta nom de lei, de que falava eu há uns dias, que apresentara no Parlamentinho do Hórreo, para a defesa e promoçom da língua e a cultura galegas fora do território da actual Comunidade Autónoma Galega, quer dizer, nos territórios do Eu-Návia, o Berzo, a Seabra e o Val de Elhas.

O comentário aparecido no web de Fala Ceive recolhe a notícia oferecida polo diário asturiano "La Nueva España" (só o nome, já mete medo), em que vários alcaides psoecialistas da comarca do Eu-Návia (baixo administraçom asturiana), se felicitam por tal retirada, pois consideravam a proposta da secçom galega do PSOE como umha ingerência, umha provocaçom, etc., etc., etc.

Agora, fregam as maos todos aqueles a quem a defesa e a promoçom do galego (ou do galego-português), e do asturiano (ou do astur-llionés), lhes importa um caralho, porque o único que lhes preocupa é a preponderáncia do espanhol. E, por se fosse pouco, os de Andecha Astur, fam-lhes os coros, pensando que a má saúde da nossa língua é inversamente proporcional à boa saúde do asturiano, quando o certo é que os únicos que saeim beneficiados som os espanholistas.

Hoje mesmo aparecem nesse mesmo meio umhas declaraçons de Fraga, insistindo em que nunca houvo nem há actualmente ingerência de nengum tipo, e desvendando, e isso sim que deveria ser umha notícia dentro da Comunidade Autónoma Galega, que "hace tiempo que hay un acuerdo con Asturias de no trabajar en ese asunto, y se está cumpliendo".

Que significa isso? Que o Governo galego nom cumpre, premeditadamente, as suas obrigas de defesa e promoçom da língua galega mais alá dos limites da CAG? Nom vai haver nengum pronunciamento da Academia Galega? Do ILG? E por parte doutras entidades? Ou é que a pré-campanha eleitoral obriga a nom entrar em terrenos fora do considerado eleitoralmente transcendente?


Voltar à página principal