Confirmam-se expectativas do novo Plano de Normalizaçom Lingüística, que fica em águas de bacalhau

16 de Abril de 2005

Como vem sendo habitual em questons estratégicas para o futuro do País, a esquerda independentista foi o único agente político que no seu dia denunciou a manobra de distracçom que subjazia na aprovaçom do chamado Plano de Normalizaçom Lingüística proposto polo PP e apoiado polo PSOE e o BNG.

Com a passagem dos meses, confirmam-se as teses independentistas e dos sectores mais comprometidos com a defesa da nossa língua, e o novo Plano, consensualizado no passado mês de Setembro polos partidos representados no Parlamento autonómico após três anos de voltas e mais voltas, fica por enquanto em águas de bacalhau. Lembremos que existia um compromisso para levar o tal Plano à prática durante a actual legislatura, o que vai ser impossível quando faltam menos de seis meses para as Eleiçons autonómicas.

Assim, a comissom criada no próprio Parlamento para redigir a proposta de prazos para a aplicaçom efectiva do aprovado incumpriu já os seus próprios prazos, e em lugar de ter a sua proposta sobre a mesa no passado mês de Março, como fora marcado, a dia de hoje continua sem dar sinais de vida. Quer dizer, mantém-se a norma da política lingüística do Partido Popular nas últimas décadas: aprova-se umha legislaçom, raquítica e insuficiente para mudar processo substitutivo em curso, e a seguir incumprem-se as próprias normas legais aprovadas, sempre com o intuito de manter os privilégios do espanhol como língua "efectiva", para além da retórica, na Galiza.

No entanto, desta vez há umha novidade a respeito do acontecido no passado com a chamada Lei de normalizaçom lingüística de 1983: o actual Plano conta com o aval nom apenas do PSOE, como também do BNG, que fica assim co-responsabilizado pola política lingüística que nos impom o PP.

 

Voltar à página principal

 

 

Celso Currás, conselheiro da Educaçom do PP, durante o pleno do Parlamento da CAG em que foi aprovado o Plano de Normalizaçom Lingüística, a 22 de Setembro de 2004