Resistência iraquiana chama formalmente à rendiçom das tropas ocupantes

14 de Janeiro de 2005

Num tom bem diferente do utilizado noutros vídeos, e em perfeito inglês, o chamado "Exército da Jihad Islámica" distribuiu um documento audiovisual de contrapropaganda na linha dos que costumam utilizar as forças ocupantes norte-americanas.

Longe das imagens de degolamentos e as proclamas religiosas que dam conteúdo a outros vídeos atribuídos às guerrilhas iraquianas, desta vez o vídeo mostra os efeitos das acçons insurgentes enquanto um narrador que utiliza um inglês fluente solicita aos soldados norte-americanos que entreguem as armas e busquem refúgio em mesquitas e residências do país, onde "vamos protegê-los". "Vós podedes optar por combater a tirania connosco", "esta nom é a vossa guerra, nom estades a luitar por umha causa verdadeira no Iraque", di o narrador em referência aos efectivos das tropas ocupantes.

No vídeo fai-se também piada do desafio do presidente ianque, George W. Bush, aos patriotas iraquianos, logo no começo da insurgência, quando lhes dixera: "podem vir para cima". A resposta é clara: "George W. Bush, você pediu-nos para irmos para cima. Entom, nós iremos, como você nunca imaginou. Tem algum outro desafio a fazer?". Estas palavras som acompanhadas por imagens de um veículo blindado Humvee norte-americano a arder após umha explosom provocada por um ataque guerrilheiro.

As mensagens de desmoralizaçom misturam-se com convites à deserçom, e mostra imagens de guerrilheiros a enfrentar a presença imperialista no país, e os efeitos dos seus ataques, enquanto o narrador lembra a inexistência de armas de destruiçom em massa e a falta de qualquer ligaçom entre o Iraque e o ataque de 11 de Setembro de 2001 contra as torres gémeas em Nova Iorque. "Essas som apenas algumhas das mentiras que esses criminosos apresentam para encobrir os seus planos verdadeiros", afirma a voz em off.

No vídeo ouvem-se também marchas triunfantes, ao estilo dos filmes de propaganda ianque na Segunda Guerra Mundial, mas com a cenografia protagonizada polos guerrilheiros iraquianos atirando contra tropas ocupantes e ao pé de corpos sem vida de estado-unidenses.

Entretanto, a ofensiva da resistência continua em aumento, com contínuas emboscadas, ataques à bomba e todo o tipo de acçons de sabotagem contra a presença militar estrangeira. Assim, um grupo armado matou a tiros um dirigente curdo do colaboracionista Partido Democrático Curdo, na cidade de Mossul, e três marines morrêrom em Anbar, a Oeste da capital, e um outro na própria Mossul. Quatro polícias e outras três pessoas morrêrom em Bagdad num ataque com um carro armadilhado e dúzias ficárom feridas numha explosom na regiom de Jan Beni Saad, a Noreste da capital.

O comando imperialista reconheceu já que será incapaz de garantir a participaçom na farsa eleitoral de 30 de Janeiro de importantes regions e cidades iraquianas apesar das carnificinas com que tem arrasado algumhas delas.

 

Voltar à página principal

 

 

As forças de ocupaçom nom deixam de sofrer ataques e baixas ao longo de todo o país
Os massacres ianques contra cidades inteiras como o já histórico de Falluja nom conseguem deter o ascenso da actividade insurgente da resistência patriótica