Junta do PP renuncia a recuperar o património documental espoliado à Galiza polos fascistas espanhóis

28 de Dezembro de 2004

Em nome de umha suposta "unificaçom de arquivos", a Conselharia da Cultura, Comunicaçom Social e Turismo da Junta da Galiza anunciou que renuncia a reclamar os documentos pertencentes ao património do nosso povo e que permanecem no Arquivo espanhol de Salamanca após serem levados ali como botim de guerra polas tropas franquistas, durante a Guerra Civil.

Deste jeito, a Comunidade Autónoma Galega é a primeira que rejeita recuperar o seu património, umha vez que as comunidades autónomas da Catalunha, País Basco e a Rioja sim o reclamam e poderám recuperá-lo. A Junta da Galiza, em maos do pró-franquista Partido Popular, limitará-se a "pedir cópias digitalizadas", mas nom os documentos originais.

Alinha assim a Junta da Galiza com a Junta de Castela e Leom, também do PP, para tentar impedir a devoluçom dos documentos roubados polos fascistas a diversas naçons peninsulares. Foi o nacionalismo catalám que começou a reclamaçom da devoluçom desses materiais, acabando o Governo espanhol do PSOE por reconhecer o direito a esse património às instituiçons autonómicas respectivas.

Enquanto o governo autónomo de Castela e Leom, com o PP à frente, afirma que "nom vai sair nengum papel do Arquivo", a Junta da Galiza incorre em flagrante traiçom ao povo galego ao renunciar à recuperaçom de um património que só ao nosso povo pertence, e que inclui informaçom sobre represaliad@s polític@s e outros materiais históricos que poderiam vir de volta à Galiza se o PP nom bloqueasse tal possibilidade.

 

Voltar à página principal