Mae de presa política basca denuncia violaçom da filha por parte da Guarda Civil durante o período de incomunicaçom

28 de Dezembro de 2004

O colectivo basco contra a tortura Torturaren Aurkako Taldea denunciou a aplicaçom de maus tratos a presas e presos bascos duranteo período que a legislaçom espanhola prevê para a incomunicaçom e desprotecçom total das pessoas presas por alegados delitos de "terrorismo".

A mae da presa bilbaina Amaia Urizar relatou ante os meios de comunicaçom como a sua filha foi alvo de práticas de tortura por parte da Guarda Civil espanhola, em concreto sendo violada com umha pistola carregada introduzida na vagina da jovem militante independentista basca. Ameaças e pancadas completárom umha sessom de maus tratos durante o período de incomunicaçom, que diversas entidades nom governamentais internacionais tenhem denunciado como elemento antidemocrático na legislaçom espanhola.

TAT lembrou que, durante 2004, até um total de cinqüenta e seis bascos e bascas denunciárom as torturas que lhes fôrom aplicadas durante as tam amiúde arbitrárias detençons dos diferentes corpos repressivos do Estado espanhol. O organismo popular basco reiterou a sua reclamaçom de que seja abolido o período de incomunicaçom nas detençons de pessoas acusadas de "terrorismo".

 

Voltar à página principal