Organismo popular português promove acusaçom aos governos envolvidos nos crimes contra o povo iraquiano

4 de Janeiro de 2005

Nestes dias soubemos da iniciativa da Audiência Portuguesa do Tribunal Mundial sobre o Iraque para exercer acusaçom contra o Estado português, bem como contra os EUA e a Gram-Bretanha, polo genocídio provocado e ainda em curso contra o povo iraquiano.

A acçom parte da constituiçom a nível internacional, em 2003, do Tribunal Mundial sobre o Iraque (TMI), na tradiçom do Tribunal Russell para o Vietname, contando com figuras da esquerda mundial reconhecidas e outras representantes de sectores solidários com o povo iraquiano ou da própria resistência no exílio.

Já na altura, constituiu-se também em Portugal a chamada Audiência Portuguesa do TMI, com apoio de pessoas como Frei Bento Domingues, Nuno Teotónio Pereira, José Mário Branco, Miguel Urbano Rodrigues, Maria João Pires, Saldanha Sanches, José Manuel Pureza, Manuel Freire, Maria José Morgado, Francisco Martins Rodrigues, Nuno Grande, João Teixeira Lopes, António Borges Coelho, António Ramos Rosa, Vasco Lourenço, Mário Tomé, Corregedor da Fonseca, Cipriano Justo, Diana Andringa, Fernando Rosas, Isabel do Carmo, João Mota, Hélder Costa, Joaquim Piló, Maria do Céu Guerra, Jorge Silva Melo, Luís Filipe Costa, Mário Cláudio, Mário de Carvalho, Rui Vieira Nery, Paulo de Carvalho, João Gil, Manuela de Freitas, Vera Mantero,…

Os objectivos marcados pola Audiência Portuguesa do TMI fôrom:

- analisar a implicaçom e a responsabilidade do Estado português na agressom ao Iraque;

- analisar a implicaçom e as responsabilidades de entidades e de cidadaos portugueses;

- formular a acusaçom correspondente aos crimes cometidos.

Nestes dias há novidades quanto aos trabalhos da entidade portuguesa, que para o dia 6 de Janeiro, segundo informa a própria Audiência Portuguesa do Tribunal Mundial sobre o Iraque, convocou umha conferência de imprensa às 18:30 horas, na Biblioteca Museu República e Resistência, sita na Rua Alberto de Sousa, n.º 10 A, 1600-002 da capital, Lisboa, que tem como objectivos:

- apresentar a Acusaçom formulada contra os governos dos EUA e da Gram-Bretanha pola agressom ao Iraque, e contra o governo português pola sua cumplicidade com os agressores;

- dar a conhecer os termos em que decorrerá a sessom final (Audiência) a realizar no fim de semana de 20 de Março, bem como os depoimentos previstos;

- divulgar a lista de apoios à AP-TMI;

- informar das sessons públicas já levadas a cabo e das realizaçons que estám programadas até à data da sessom final.

Estamos ante umha importante iniciativa popular que visa assinalar @s culpad@s polo genocídio em curso no Iraque de maneira directa, denunciando a destruiçom impune de um país dirigida polos EUA e a Gram-Bretanha com a cumplicidade dos principais Governos ditos "democráticos".

A Audiência Portuguesa do Tribunal Mundial sobre o Iraque tem sítio web em que podem se consultadas informaçons relativas ao trabalho que desenvolve desde a sua constituiçom em 2003.

 

Voltar à página principal