Dous independentistas detid@s em Compostela: solidariedade

24 de Julho de 2005

Na jornada de ontem assistimos à detençom de dous independentistas, um homem e umha mulher, na capital da Galiza. Acusad@s pola Polícia espanhola e os media de protagonizarem o ataque registado numha entidade bancária de Compostela, amb@s permanecem detidos sem que tenha transcendido oficialmente nem a identidade.

Conhecemos a trajectória das forças repressivas espanholas contra independentistas galeg@s e nela tem havido de todo: arbitráriedade, pulsom política, tentativas de amedrontar,... pola nossa parte, temos claro que é nestes momentos que mais necessária é a unidade que defendemos para o dia a dia do trabalho político da esquerda independentista. Frente à repressom e às campanhas mediáticas e policiais, devemos dar mostras de matureza e calma, para responder unitariamente em defesa da nossa gente e contra a criminalizaçom do nosso movimento.

NÓS-Unidade Popular já difundiu um comunicado em solidariedade com as pessoas detidas, e aderindo aos actos de protesto convocados a seguir às detençons.

Como sempre fazemos, Primeira Linha quer fazer público o seu apoio ao companheiro e à companheira detid@s, e exigir a sua imediata posta em liberdade por parte das forças policiais que nestes dias ocupam de maneira especialmente ostensiva e provocatória a capital da nossa naçom. Por cima das legítimas diferenças que podam ser mantidas no debate político entre independentistas, reclamamos nestes momentos umha resposta coerente e unitária frente ao inimigo das liberdades no seio do nosso próprio povo.

Participamos já na concentraçom convocada por CEIVAR na meia-noite passada e chamamos os sectores mais conscientes e comprometidos do nosso povo trabalhador a responderem também hoje, 24 de Julho, nos actos convocados polas entidades juvenis independentistas, e amanhá 25 de Julho na manifestaçom convocada por NÓS-Unidade Popular a partir das 13 horas.

 

Voltar à página principal

 

 

Imagem de um dos dispositivos policiais que hoje tomárom a capital da Galiza