No Afeganistám e contra Cuba: Os Estados Unidos praticam terrorismo de estado e dam abrigo a terroristas

22 de Maio de 2005

Terrorismo de estado...

Os Estados Unidos da América voltárom a ficar em evidência nestes dias em relaçom com a sua suposta "guerra contra o terrorismo" ao longo do planeta. Com efeito, o próprio Governo fantoche afegao tivo que reconhecer a evidência das torturas a detidos nesse país ocupado militarmente polo exército ianque, denunciadas pola Human Rights Watch. O relatório difundido por essa ONG tem umha extensom de 2.000 páginas e descreve o horror dos maus tratos e assassinatos de prisioneiros afegaos em prisons das forças ocupantes.

Até agora havia conhecimento dos mais de 500 presos afegaos na base naval de Guantánamo, onde é ponto assente a prática de torturas sistemáticas e ausência total de garantias judiciárias, mas agora comprova-se que no próprio Afeganistám é também moeda corrente a prática do terrorismo estatal, com razias nocturnas indiscriminadas, torturas nas cadeias e mortes de detidos nas esquadras. Práticas todas elas próprias dos regimes fascistas que os EUA tenhem patrocinado largamente, aberta ou soterradamente, durante o último século.

As torturas relatadas datam de 2002 e incluem a morte de um número indeterminado de pessoas, sempre toleradas pola Administraçom colonial sob a figura do que chamam "homicídios justificados" (sic).

Também os protestos populares contra a presença ianque no País e as suas práticas contra detidos afegaos está a custar vidas entre a populaçom afegá. As mobilizaçons da semana passada registárom 16 mortes sob fogo policial e militar ocupante.

A organizaçom Human Rights Watch (HRW) denunciou sábado os "homicídios, torturas e outros abusos perpetrados" por soldados estado-unidenses contra prisioneiros afegaos, "que nom fôrom objecto de nengum inquérito ou perseguiçom adequada". A organizaçom nom governamental pediu a criaçom de umha comissom de inquérito independente para esclarecer esses assuntos, sem resposta positiva por enquanto.

...e abrigo a terroristas

Mas o anterior nom e todo o que trascendeu sobre as práticas terroristas dos EUA nos últimos dias. O Governo cubano denunciou o abrigo que a Casa Branca está a dar a Luís Posada Carriles, terrorista contrarrevolucionário cubano que em 1976 fijo explodir um aviom civil cubano em que morrêrom quase 100 jovens atletas universitários dessa nacionalidade. Além disso, Carriles tem admitido em entrevistas de imprensa ser organizador de umha série de atentados com bombas contra hotéis cubanos em 1997, saldados com a morte de um turista italiano. A última acçom atribuída ao terrorista protegido polo Governo Bush é a tentativa de atentado contra Fidel Castro no Panamá, durante a Cimeira Iberoamericana de 2000.

Carriles, indultado polo Governo panamiano, está oculto em Miami, contando com a protecçom do exílio contrarrevolucionário cubano e do próprio Governo ianque, que nega a sua extradiçom ao Governo de Cuba.

Fica portanto bem clara a natureza da "política antiterrorista" norte-americana, e do próprio Governo Bush, que Fidel sintetizou ontem mesmo em poucas e eloqüentes palavras: «[...] estes bandidos, essa máfia inqualificável, esse governo que conseguiu incrivelmente reunir o pessoal mais cínico e estúpido, com a agravante de que tem o maior poder de qualquer império».

 

Voltar à página principal

 

 

Manifestaçom popular na Venezuela exigindo a extradiçom de Carriles desde os EUA a Cuba
Documento gráfico do trato vexatório dos soldados ianques aos detidos no território ocupado afegao