17 baixas mortais num ataque da resistência afegá contra forças ocupantes espanholas

17 de Agosto de 2005

17 militares das forças ocupantes espanholas no Afeganistám morrêrom ontem ao ser derrubado o helicóptero Cougar em que viajavam sobre território afegao. Ao todo, morrêrom dous oficiais, três suboficiais e doze soldados procedentes das bases militares de "El Copero" (Sevilha) e do regimento "Isabel la Católica" com base em Figueirido, no ataque com piores conseqüências para as tropas espanholas desde que se envolvêrom na guerra imperialista contra o povo afegao.

Os meios espanhóis começárom falando de "acidente". A seguir, o ministro espanhol da Defesa, José Bono, afirmou nom descartar "absolutamente" um ataque como causa da queda do aparelho mlitar. Agora já ninguém duvida que foi mesmo umha acçom guerrilheira da resistência que atingiu em voo o helicóptero espanhol, o que foi confirmado por um sobrevivente.

Após a retirada das forças militares espanholas de território iraquiano logo a seguir à vitória eleitoral do PSOE, a presença no Afeganistám nom deixou de aumentar, tendo saído ainda no mês de Julho 500 efectivos da base de Figueirido em direcçom ao país asiático.

A Junta da Galiza decretou três dias de luto pola morte dos dez soldados de origem galega incluídos entre as baixas mortais, e ofereceu através de Tourinho e Quintana todo o apoio às famílias.

NÓS-Unidade Popular e o BNG fôrom as únicas duas organizaçons políticas galegas que depois do ataque reiterárom a sua reclamaçom de que sejam retiradas as tropas espanholas do Afeganistám.

Em relaçom com a morte de dez soldados de origem galega na acçom militar da guerrilha afegá, NÓS-UP afirma no seu comunicado que "apenas um futuro digno para a juventude galega, sem empregos precários, emigraçom e salários de miséria, evitará que o exército seja umha falsa saída laboral para alguns sectores populares. Dez jovens galegos acabam de morrer por causas alheias e antagónicas aos seus objectivos interesses nacionais e de classe, exercendo de sipaios num dos instrumentos que garantem a manutençom da situaçom de empobrecimento e exploraçom a que se vê submetida a Galiza e as suas classes trabalhadoras polo Estado espanhol."

 

Voltar à página principal