AGIR denuncia "guiom continuísta" em aplicaçom do Processo de Bolonha por parte da nova Conselharia da Educaçom

3 de Setembro de 2005

Às portas do início de um novo ano lectivo, a organizaçom juvenil independentista, AGIR, fijo pública a sua avaliaçom dos primeiros passos do novo Executivo autonómico em matéria educativa, no que di respeito à aplicaçom do chamado Processo de Bolonha.

AGIR detecta um acrítico seguidismo das directrizes emanadas do chamado Espaço Europeu do Ensino Superior (EEES), vincando a "nula margem partidista" no que di respeito à ordenaçom do ensino na Galiza, que torna indistintos o autonomismo e as duas delegaçons dos principais partidos espanhóis nesta matéria.

O colectivo estudantil independentista assinala como tanto o PSOE como o BNG mantenhem o "acesso livre com entrada preferente para impúdicas e sobejas ententes empresariais", dentro da estratégia neoliberal de converter o ensino em mais um espaço mercantilizado e ao serviço de interesses privados.

A análise de AGIR refere também como o acordo de Governo joga à ambigüidade e evita compromissos concretos que fagam frente ao mercantilismo promovido polas altas instáncias de Bruxelas com a colaboraçom de Madrid. O texto pode ser consultado no seu web nacional.


Voltar à página principal

 

 

Laura Elena Sánchez Piñón, nova conselheira da Educaçom polo PSOE