Vítimas do Holocausto Nazi apoiam publicamente as organizaçons guerrilheiras colombianas e palestinianas

20 de Agosto de 2005

A Associaçom de Vítimas de Campos de Concentraçom Nazi manifestou publicamente o seu rejeitamento à lista com que a Uniom Europeia pretende riscar de "terroristas" organizaçons revolucionárias e de libertaçom nacional como as colombianas FARC ou as palestinianas FPLP, anunciando o envio de dinheiro em apoio às suas justas luitas.

Desse jeito, umha das principais organizaçons que agrupam @s veteran@s sobreviventes dos campos de extermínio de Hitler desafia a legislaçom dita "antiterrorista" aprovada polos estados europeus integrados na UE e a proibiçom de dar apoio a organizaçons como as marxistas FARC e FPLP. Antón Nielsen, um dos representantes oficiais da citada entidade, elogiou o confronto que essas duas organizaçons revolucionárias mantenhem contra o que denominou "regimes fascistas" como o presidido por Álvaro Uribe na Colômbia.

Especial relevo assume o apoio à Frente Popular pola Libertaçom da Palestina (FPLP) face ao neofascismo sionista, umha vez que o povo judeu foi um dos mais castigados pola política de extermínio nazi nas décadas de trinta e quarenta do passado século e agora o Estado israelita reproduz a política de extermínio com o heróico povo palestiniano.

A Associaçom de Vítimas de Campos de Concentraçom Nazi enviará desde o interior da Europa umha quantidade simbólica a ambas organizaçons guerrilheiras, rompendo assim a proibiçom da Uniom Europeia, ao tempo que chama a esquerda social e política do continente a aderir à campanha de apoio a esses e outros movimentos de libertaçom incluídos na lista negra da UE.

 

Voltar à página principal

 

 

Milicianos da Frente Popular para a Libertaçom da Palestina (FPLP) nas ruas de Gaza