Iraque: avions ianques matam 40 civis e populaçom apoia a resistência armada

1 de Novembro de 2005

No mesmo dia em que a resistência iraquiana matou oito militares ocupantes norte-americanos, a aviaçom ianque aplicou a sua particular desforra bombardeando moradias de civis perto da fronteira com a Síria, matando 40 pessoas e deixando 17 feridas. A contagem de civis mort@s inclui 12 crianças, na que é a segunda semana consecutiva em que a aviaçom ocupante provoca umha carnificina similar na zona.

As guerrilhas patrióticas iraquianas acabavam de matar oito soldados dos EUA em 24 horas, em ataques realizados em Yusufiya, Balad e Al Ameria, elevando o número de baixas mortais norte-americanas oficialmente reconhecidas até 2.015, desde Março de 2003.

O comando imperialista afirmou que o bombardeio iria dirigido contra combatentes de Al Qaeda em vilas próximas de Al Qaim, mas o certo é que entre os mortos havia numerosas crianças, segundo confirmou o líder tribal da zona. Nada a ver com o "ataque de precisom" e o uso de "alta tecnologia para evitar mortes entre os civis", de que hipocritamente falou a propaganda ianque. Um novo massacre do imperialismo contra o povo do Iraque, que continua a resistir corajosamente a ocupaçom.

Apoio popular à resistência

Enquanto a guerra de libertaçom nacional continua, um estudo da inteligência militar ianque indica que milhons de iraquianos apoiam as acçons armadas da resistência contra as forças ocupantes, segundo difundiu o jornal Sunday Telegraph.

Em concreto, 65% da populaçom apoiaria a luita armada e menos de 1% concordaria com a ideia de que as forças ocupantes ajude a melhorar a segurança no país, segundo o citado estudo realizado por ordem do Ministério da Defesa norte-americano.

Além disso, 82% da populaçom iraquiana afirma opor-se "com toda a sua força" à presença imperialista, responsabilizando-a da falta de segurança, e 43% acha que as condiçons para a paz e a estabilidade piorárom. A percentagem de iraquianos e iraquianas que "nom confia nas forças multinacionais" atinge os 72%.

 

Voltar à página principal

 

 

Imagem de três das crianças feridas no último bombardeamento "cirúrgico" dos Estados Unidos contra o povo iraquiano