NÓS-Unidade Popular sofre campanha de intoxicaçom mediática

18 de Janeiro de 2006

Durante os últimos dias, diversos meios de comunicaçom promovem umha campanha que pretende, sem nengum fundamento, ligar NÓS-UP com supostas práticas ilegais de violência política. Nom é a primeira vez que tal acontece, nem de certeza será a última. Perante a gravidade das acusaçons publicadas, achamos adequado reproduzir na íntegra o comunicado de resposta que a organizaçom independentista e socialista fijo público hoje mesmo. Aproveitamos o ensejo para manifestar a nossa solidariedade com Eduardo Vigo, o jovem que sofreu em primeira pessoa essa campanha, congratulando-nos pola sua recuperaçom e por ter recebido já a alta hospitalar.

 

"NÓS-Unidade Popular perante a nova campanha de intoxicaçom mediática

Perante a nova tentativa de alguns meios de comunicaçom para transmitir umha ideia distorsionada da actividade e perfil de NÓS-Unidade Popular, queremos esclarecer mais umha vez:

1.- Alguns meios de comunicaçom manifestam umha calculada obsessom por situar a esquerda independentista nas páginas de sucessos, com o objectivo de criminalizar o legítimo projecto político que defendemos, intoxicando permanentemente a opiniom pública. A prática destes meios carece do mínimo rigor e seriedade exigível, enquadrando-se no amarelismo da pior imprensa sensacionalista.

2.- NÓS-Unidade Popular é umha organizaçom política legalizada, que desenvolve umha actuaçom política bem conhecida desde a sua fundaçom em 2001, e que tem demonstrado mil e umha vez os parámetros estritamente políticos sobre os que realiza a sua intervençom sociopolítica em defesa dos direitos nacionais da Galiza e das suas classes populares galegas. Agimos no quadro da legalidade vigente para a transformar.

3.- Rejeitamos as veladas acusaçons que meios como La Voz de Galicia e El Correo Gallego, emissóras de rádio, agências de notícias e a TVG, mais umha vez, pretendem estender, estabelecendo hipóteses sem mais fundamento que a ficçom necessária para continuar a criminalizar as ideias e a própria existência da esquerda independentista galega.

4.- Estas práticas som simultáneas com o silenciamento sistemático da actividade política diária de NÓS-Unidade Popular por parte desses mesmos meios. NÓS-UP nom só denuncia esta atitude antagónica com a liberdade de expressom e de imprensa, como questiona a falta de valor que tenhem as supostas “informaçons” que periodicamente tiram da manga para criminalizar o nosso movimento. Só como pequena mostra do veto efectivo a que os meios do sistema condenam as nossas actividades, citamos a seguir algumhas das iniciativas desenvolvidas no último mês, nengumha das quais mereceu umha só linha por parte desses meios.

- Posiçom de NÓS-Unidade Popular sobre a proposta de Novo Estatuto apresentada polo BNG.

- Posiçom de NÓS-Unidade Popular ante o incremento dos protudos básicos e a congelaçom dos salários das classes populares.

- Comunicado contra as privatizaçons encobertas na Junta da Galiza e solicitando a gestom pública dos serviços públicos.

- Posicionamento contra a privatizaçom dos estaleiros de Fene e Ferrol.

- Solidariedade com o Eliseo Monteiro vítima do racismo na Comarca de Trasancos.

- Apoio à vizinhança da Almáziga, em Compostela, na luita contra as antenas de telefonia móvel.

- Solicitude por moçom municipal ao Concelho de Tui da retirada da simbologia fascista.

- Denuncia da limpeza etno-lingüística na Corunha por parte de Francisco Vázquez.

- Retirada de simbologia fascista em Ferrol, Ordes, Ponte Areas, Corunha...

- Solidarieade com a vizinhança de O Eixo ante os atropelamentos na N-525.

- ...

5.- Dirigimo-nos ao povo trabalhador galego, e muito especialmente à base social que apoia ou simpatiza com a esquerda independentista, para manter umha posiçom de cautela e alerta, evitando dar qualquer credibilidade às campanhas mediáticas que, periodicamente, enchem páginas e minutos para transmitir umha falsa imagem do independentismo, ocultando o trabalho social que em todos os campos desenvolvemos dia a dia no seio do nosso povo.

NÓS-Unidade Popular rebaterá, sempre que o considerar oportuno, essas versons, esclarecendo os verdadeiros termos de cada caso em que se pretenda criminalizar a nossa opçom politica. Porém, tampouco cairemos num debate bizantino sobre realidades virtuais fabricadas à medida das necessidades de quem quer evitar a todo o custo a consolidaçom de umha alternativa soberanista e socialista como a que NÓS-UP aspira a construir ao serviço do povo trabalhador galego.

6.- NÓS-UP nom só reconhece a filiaçom do companheiro Eduardo Vigo Domingues na nossa organizaçom, como solicita o devido respeito à privacidade que merece tanto ele como a sua família, e o cessamento das especulaçons por uns factos para os quais os meios de comunicaçom já emitírom sentença.

7.- Satisfai-nos saber que o Eduardo se acha bem, que as suas feridas evoluem favoravelmente e que recebeu a alta hospitalar, podendo ir para casa com a sua família. Aguardamos a sua rápida e completa recuperaçom.

Direcçom Nacional de NÓS-Unidade Popular

Galiza, 18 de Janeiro de 2006"

 

 

Voltar à página principal