Evidente objectivo criminalizador na campanha repressiva contra NÓS-UP

17 de Fevereiro de 2006

A formaçom independentista NÓS-UP fijo público um comunicado em que explica o acontecido na jornada de anteontem em Ferrol, Vigo e Ponte Areas, onde um total de quatro dirigentes independentistas fôrom detid@s e interrogad@s pola Guarda Civil.

Lembrando a trajectória do corpo armado espanhol "na repressom e perseguiçom de direitos fundamentais", NÓS-Unidade Popular denuncia de maneira particular como a Guarda Civil "espia, persegue, ameaça e golpeia" a esquerda independentista galega, especialmente durante os últimos meses.

Se três das detençons parecem ter como motivaçom a tentativa de deter a campanha contra os símbolos fascistas que NÓS-UP está a desenvolver com importante sucesso nos últimos meses, no caso da detençom de Ferrol o sustento limita-se a umha suposta ligaçom legal de Bruno Lopes, responsável nacional de Organizaçom de NÓS-UP, com um web independentista que já nom existe. Umha falsa ligaçom publicada ontem por La Voz de Galicia, que falou também, em termos criminalizadores, de umha totalmente inexistente "colaboraçom com a AMI" por parte do citado dirigente de NÓS-UP.

Todo indica, portanto, que estamos mais umha vez ante umha série de despropósitos e inventos que só pretendem difundir umha imagem distorcida da actividade política independentista, objectivo em que meios como La Voz de Galicia colaboram habitualmente, identificando como "vandalismo" a restituiçom da dignidade democrática e difundindo falsas "informaçons" sobre relaçons entre entidades independentistas tam respeitáveis como afastadas entre si na actualidade.

Podes ler o comunicado de NÓS-UP na íntegra no seu web nacional.

 

:: Mais informaçons sobre o mesmo tema

NÓS-Unidade Popular sofreu jornada de perseguiçom política por parte da Guarda Civil (+...)

 

Voltar à página principal