NÓS-Unidade Popular apresenta "444 medidas concretas para umha nova política nacional e de esquerdas"

7 de Outubro de 2005

Representantes da Direcçom Nacional de NÓS-UP apresentárom ontem em conferência de imprensa na capital galega a ediçom da "Tabela reivindicativa de mínimos para o novo governo autonómico", que a organizaçom independentista já anunciara como iminente nas últimas semanas.

A publicaçom, de 113 páginas, inclui umha introduçom em que se definem as medidas propostas como "documento de mínimos que inclui as principais reivindicaçons ao novo Governo autonómico, e que sirva de referência para a oposiçom independentista, de esquerda e feminista que NÓS-UP exercerá de maneira firme nas ruas da nossa naçom". Também Maurício Castro sublinhou na sua intervençom em Compostela que NÓS-Unidade Popular apresentará durante esta legislatura "iniciativas realistas e em positivo, com cabimento no quadro jurídico-político actual desde que exista vontade por parte da coligaçom governante". Avançou igualmente a apresentaçom do documento em reunions com todo o tipo de entidades sociais e do movimento popular galego, com o intuito de dar a conhecer a alternativa independentista e ao mesmo tempo enriquecê-la com os contributos dos colectivos que trabalham e luitam dia a dia em cada um dos campos de actuaçom incluídos na Tabela.

Assim, o texto agora publicado por NÓS-UP divide as propostas concretas em áreas como "direitos e liberdades individuais e colectivas", "economia e sócio-laboral", "saúde", "ensino", "serviços sociais", "vivenda, urbanismo, transporte e ordenamento do território", "ambiente", "mulher", "juventude", "Língua", "Cultura" e "Desporto". Além disso, trata em particular a reforma do Estatuto de Autonomia e o autogoverno galego, com base na defesa do direito de autodeterminaçom.

A "Tabela reivindicativa de mínimos para o novo governo autonómico" está já disponível na Internet, no web nacional de NÓS-Unidade Popular. Podes consultá-la e descarregá-la aqui.

 

Voltar à página principal

 

 

Imagem da comparecência ante os media de membros da Direcçom Nacional de NÓS-Unidade Popular para apresentar a "Tabela reivindicativa de mínimos para o novo governo autonómico"