Confirmada detençom de oito independentistas. NÓS-Unidade Popular emite comunicado denunciando actuaçom repressiva

14 de Novembro de 2005

Como informamos anteriormente, o operativo da Guarda Civil contra o independentismo galego nom estava fechado com as duas primeiras detençons, e neste momento som já oito as pessoas detidas em Lugo, Compostela, Ourense e Vigo. Parece ser que estamos ante umha operaçom ordenada pola Audiência Nacional espanhola, e que a Guarda Civil está a executar em diversos pontos da Galiza.

NÓS-Unidade Popular difundiu já um primeiro comunicado de urgência sobre os factos, em que exprime a sua solidariedade com as pessoas detidas e reclama o respeito polos seus direitos. Reproduzimos a seguir, na íntegra, o comunicado de NÓS-UP, ao tempo que subscrevemos como partido todos os seus termos:

NÓS-Unidade Popular perante a detençom de oito independentistas na manhá desta segunda-feira

A nossa organizaçom tivo conhecimento da detençom de oito independentistas em quatro cidades diferentes do nosso país: Lugo, Vigo, Ourense e Compostela. Ainda que seja cedo para avaliar em toda a sua significaçom a actuaçom repressiva efectuada pola Guarda Civil espanhola, todo indica que se trata da aplicaçom de umha ordem emanada da Audiência Nacional, tribunal de excepçom sediado em Madrid e dedicado a casos do que a linguagem oficial denomina “terrorismo”.

Segundo as informaçons de que neste momento dispomos, @s oito compatriotas detid@s som: Antom Garcia Matos, Maria Álvares, Joám Bagaria Frá, Paulo Martearena (Nahuel), José Viana, Hadriám Mosqueira (Senlheiro), Miguel Garcia Nogales e Maria Osório. Todas e todos eles acham-se neste momento privados de liberdade, existindo um total hermetismo sobre onde e em que condiçons é que se encontram. Existe também umha obstaculizaçom para a defesa ter conhecimento de eventuais acusaçons de que podam ser objecto.


Perante estes factos, NÓS-Unidade Popular quer reclamar o respeito para a integridade pessoal d@s oito detid@s e a transparência sobre as suas condiçons de detençom. Ao mesmo tempo, negamos mais umha vez às autoridades e forças repressivas espanholas qualquer direito para privarem de liberdade por motivos políticos as galegas e os galegos, e menos ainda para os conduzirem fora da Galiza como é costume.

Expressamos a nossa solidariedade com as pessoas detidas e reivindicamos para elas e para o conjunto do nosso povo o direito a exercer os seus direitos civis e políticos sem a ameaça exterior de um tribunal de excepçom e umhas forças repressivas alheias à nossa soberania como povo livre.


Stop repressom!

Liberdade independentistas!

Viva Galiza livre, socialista e nom patriarcal!


Galiza, 14 de Novembro de 2005

 

Voltar à página principal

 

 

Guardas civis encapuzados participárom no operativo repressivo de hoje em Compostela, Ourense, Vigo e Lugo. Esta imagem pertence às detençons da capital galega