Corrupçom na Junta: PP malbaratou numerosas empresas públicas galegas no período 1996-2002

14 de Julho de 2005

O Tribunal de Contas emitiu nos últimos dias um eloqüente relatório que pom em evidência presumíveis casos de corrupçom institucional protagonizados polo PP no Governo da Junta da Galiza entre os anos 1996 e 2002. As numerosas operaçons inscrevem-se no processo de privatizaçons sistemáticas de empresas públicas galegas acometidas entre aqueles anos, e que, em palavras literais do citado organismo, "nom som acordes com os procedimentos estabelecidos".

Em concreto, o Tribunal de Contas detectou vendas por preços "sensivelmente inferiores" ao valor de um número importante de firmas como o grupo papeleiro ENCE, a Rede Eléctrica de España (REE), Aceralia, Iberia, Almagrera e Productos Tubulares. Outras, como Grupo Potasas, Barreras, Inima, Enatcar, Initec, coosur-Olcesa e Conversión Aluminio fôrom objecto de "ajustamentos" que dérom lugar a umha "importante minoraçom" do preço assinalado nos respectivos contratos, segundo o referido relatório.

A "falta de objectividade" dos processos privatizadores afectou também à aleiçom de agentes encarregados da valorizaçom externa das empresas que iam ser privatizadas, sendo "freqüente", em palavras do citado Tribunal, que o responsável pola valorizaçom externa agisse em simultáneo como assessor da operaçom privatizadora, favorecendo os interesses dos compradores. Nalguns casos, a informaçom utilizada polo taxador foi fornecida directamente polas equipas directivas das empresas que a seguir iriam ser as compradoras das firmas taxadas. Tal aconteceu no caso de Barreras, Ferroperfil e Iongraf.

Além do dito, o relatório que comentamos sublinha como os colaboradores e assessores dos processos privatizadores eram eleitos em concursos restritos e sem publicidade, favorecendo assim a falta de controlo objectivo e os conluios entre as empresas privadas compradoras e a Administraçom pública vendedora, que na altura estava em maos do Partido Popular.

Outras irregularidades processuais som citadas num relatório que aponta directamente para a direita espanhola governante na Galiza como promotora de vendas ruinosas para a Administraçom pública em favor de agentes e firmas privadas durante os anos de privatizaçom massiva de empresas públicas na Comunidade Autónoma Galega.

 

Voltar à página principal