Numerosos fogos florestais assolam a Galiza

16 de Agosto de 2005

Como cada Verao, a Galiza arde neste mês polos quatro cantos em fogos florestais que já custárom a vida de um trabalhador das brigadas de extinçom. Mais de umha dúzia de fogos importantes mantenhem-se activos em comarcas como Trasancos, Monte Rei, Costa da Morte, Viana, Condado, Muros-Noia ou a Marinha.

Especialmente graves som os de Castrelo do Val (Monte Rei), com 400 hectares queimadas, e o da paróquia do Roxal, no Concelho de Neda (Trasancos), com 50 hectares calcinadas. Neste caso, bem como em outros da mesma comarca como o de Júvia, no Concelho de Narom, existe risco para zonas habitadas que se vem ameaçadas polo avanço do fogo. Na jornada de ontem, o sol chegou a ser ocultado sobre a cidade de Ferrol pola intensidade e extensom da coluna de fumo procedente dos lumes em Narom e Neda.

No Concelho das Neves (Condado), ardêrom mais de 20 hectares, enquanto outros concelhos como Vimianço, Fisterra e Sás (Costa da Morte), Lousame (Muros-Noia), Viana do Bolo (Viana), Ourol (Marinha), etc, registam também incêndios de importáncia.

A situaçom, sem ter nada de novo, é grave, e reflecte o abandono em que se encontra o rural galego, bem como os interesses subjazentes à extensom dos fogos florestais nos veraos, e o papel do negócio do eucalipto no desastre florestal galego.

Entretanto, o novo conselheiro do Meio Rural, Alfredo Soares Canal (BNG), que seguramente ainda nom poderia ser responsabilizado polo acontecido nestes dias, tentou contodo minimizar o alarme existente, afirmando que neste Verao ardêrom menos hectares do que em anos anteriores. Também anunciou o continuísmo do novo Governo em matéria de luita contra o fogo, numhas declaraçons que de certeza nom faria se continuasse a fazer labores de oposiçom, e que produzem cepticismo frente às expectativas criadas pola anunciada "alternativa" representada pola coligaçom entre o PSOE e o BNG.

 

Voltar à página principal

 

 

Eucaliptos a arder na comarca de Trasancos