Exército "humanitário" espanhol mata a tiros dous manifestantes no Haiti

13 de Janeiro de 2006

A farsa dos "exércitos humanitários", que nos últimos anos querem vender-nos os apologetas do militarismo e o imperialismo disfarçados de ONG's, ficou hoje novamente em evidência com a actuaçom das tropas ocupantes espanholas em território haitiano.

Umha multitudinária manifestaçom popular nas redondezas da fronteira entre o Haiti e a República Dominicana protestava pola morte de 25 emigrantes nos últimos dias, quando soldados espanhóis abrírom fogo contra a multitude, segundo confirmou a agência Reuters.

Como do costume, o Ministério espanhol dos Negócios Estrangeiros negou que se disparasse contra as pessoas, reconhecendo apenas a existência de "disparos ao ar", mas o certo é que dous manifestantes morrêrom por impacto de bala, que segundo Reuters fôrom realizados por militares ocupantes espanhóis, que integram a missom das Naçons Unidas no país desde que o Governo de Aristide foi derrocado pola intervençom estrangeira.

A anunciada como "intervençom humanitária" da ONU no Haiti está cada vez mais convertida num atoleiro sem saída em que o povo haitiano sofre as conseqüências dos planos de ocupaçom ianque e da chamada "comunidade internacional", que longe de solucionar os graves problemas do país, tenhem piorado as condiçons até níveis nunca antes atingidos.

O sentimento generalizado entre o povo haitiano é o de estar ocupado por forças ali colocadas polo amo norte-americano, que promoveu a deposiçom de Aristide para garantir o submetimento do Haiti aos seus planos hegemonistas na regiom. O Estado espanhol é umha das principais forças colaboracionistas da estratégia ianque, juntamente com o Brasil e os EUA. O contingente total de forças ocupantes é de 7.500 soldados de 14 estados diferentes.

 

Voltar à página principal

 

 

Jovem haitiano manifesta o seu rechaço à ocupaçom perante as forças multinacionais presentes no país americano