Dia das Letras 2005: Festa e manifestaçom nacional seguidas de numerosas iniciativas locais em defesa da língua

17 de Maio de 2005

Estes dias registam todo o tipo de iniciativas nacionais e comarcais em favor da língua. Já informamos das Jornadas Independentistas Galegas organizadas polo nosso partido e que neste ano fôrom dedicadas à temática lingüística. Ainda neste último fim de semana, salientou, polo êxito conseguido, a Festa do Dezassete (que se fai o catorze), organizada pola associaçom compostelana A Gentalha do Pichel. Mais de um milhar de pessoas participárom animadamente durante toda a tarde e noite do passado sábado nos distintos conteúdos propostos na praça de Maçarelos pola entidade organizadora: teatro, música e muita festa, sem esquecer a reivindicaçom, na que é já festa de referência para o Dia das Letras na nossa capital.

Na manhá seguinte, por volta das duascentas pessoas percorrêrom em manifestaçom, dando continuidade à iniciativa do ano passado, as principais ruas de Compostela, para reclamar um verdadeiro Plano normalizador da nossa língua frente ao engano preparado pola oficialidade no Parlamento autónomo. A manifestaçom era convocada por catorze entidades comarcais e locais, além de algumha nacional como a AGAL. Se bem o número de participantes foi modesto, serviu para confirmar a disposiçom de novos sectores normalizadores para levar à rua a defesa dos direitos lingüísticos do nosso povo, retomando o necessário pulso normalizador ante a dramática situaçom que o nosso idioma atravessa na nossa naçom.

Sucesso dos actos pola língua no Berzo

Umha ateigada sala de actos da Obra Social de Caja Espanha em Ponferrada, onde muitas pessoas tivérom que ficar de pé ante a falta de cadeiras, acolheu no dia 13 de Maio a comemoraçom do Dia das Letras no Berzo, organizada pola Associaçom Cultural Fala Ceive.

Desde os primeiros minutos das sete da tarde, dúzias de pessoas acudiam ao local onde tivérom lugar os actos, e polo qual passárom nom menos de cento e sessenta pessoas, entre elas algumhas autoridades, que quigérom reconhecer assim o trabalho realizado por esta Associaçom Cultural, como o Presidente do Conselho Comarcal, Ricardo González Saavedra (na foto a cumprimentar a apresentadora e coordenadora dos actos, Sílvia Ribas). Também estavam presentes algumhas das organizaçons, entidades e colectivos que tenhem colaborado com Fala Ceive para levar adiante esta celebraçom e outras actividades de defesa da língua.

Mas os verdadeiros e verdadeiras protagonistas fôrom as crianças dos diversos centros públicos de ensino, que participárom na comemoraçom e que recolhêrom, para além dos presentes com que os obsequiou Fala Ceive, os aplausos dum público, de aquém e além o Zebreiro, emocionado e completamente entregado no apoio à defesa, promoçom e dignificaçom da nossa língua nacional.

As intervençons dos responsáveis da revista A Curuxa (a primeira revista escolar do Berzo editada em língua galega), as intervençons dos/as poetas e músicos convidada/os completárom um acto que foi encerrado com a música dumha banda de gaitas do Berzo, e que continuou mais tarde com uns vinhos e uns petiscos de confraternizaçom entre as pessoas participantes.

Diversos meios de comunicaçom, da rádio, da imprensa e da televisom, assim como de meios electrónicos, recolhêrom a realizaçom deste acto, e entrevistárom ao longo do dia a responsáveis de Fala Ceive para recolher as suas opinions sobre a actual situaçom da língua galega no Berzo.

Com actos como este, com certeza, a nossa língua seguirá viva no Berzo, com o compromisso activo e militante, com a vontade, e com a ilusom dumha associaçom cultural como Fala Ceive e os seus e as suas membros. E, com certeza, com as crianças, que som o futuro, a engrossar as fileiras da defesa do galego também no Berzo.

Outras iniciativas previstas

As iniciativas em defesa da língua nom ficam por aí. Em comarcas como Ponte Vedra, Trasancos, e outras, há ainda actos previstos para hoje mesmo. Em todos os casos, a iniciativa parte de centros sociais de contrastado compromisso com a língua da Galiza, como a Revira pontevedresa, a Revolta viguesa e a Fundaçom Artábria de Trasancos.

A Revolta promove no mesmo 17 de Maio às 17 horas na Praça da Vila (Praça da Constituiçom) umha rondalha galeguizadora e normalizadora polo Núcleo Velho viguês.
Após o acto, haverá umha festa pola língua no citado Local Social.

No local social A Revira de Ponte Vedra há também diferentes concertos e outras actividades previstas durante estes dias, enquanto em Ferrol a Fundaçom Artábria organiza umha oferta floral no monumento a Rosalia e umha rondalha no mesmo dia 17 ao meio-dia, e umha conferência sobre a situaçom da nossa língua às 18,30 horas, a cargo de Maurício Castro.

 

Voltar à página principal