Pablo Gonçales Marinhas, o novo rosto bilingüista do BNG no parlamento

24 de Agosto de 2005

O reparto de conselharias e a renúncia à acta de deputad@ pol@s conselheir@s do BNG situou como novo deputado um velho conhecido na política institucional galega: Pablo Gonçales Marinhas. Ex-dirigente da direita regionalista, primeiro em Coligaçom Galega (CG) e depois no Partido Nacionalista Galego (PNG), chegou a ser conselheiro no Governo tripartido da Autonomia durante os anos 80, sendo repescado polo BNG nas últimas eleiçons.

Poderia alegar-se que todo o mundo tem direito a evoluir para posiçons de maior progressismo e compromisso com o País, e é certo. Mas nom é o caso. Gonçales Marinhas tem desenvolvido nos últimos tempos labores de colaborador jornalístico em La Voz de Galicia, buque insígnia do espanholismo mediático na Galiza, defendendo as suas posiçons ideológicas de sempre e, sobretodo, utilizando o espanhol em exclusiva.

Para além do caso particular que poda representar o ascenso de Marinhas nas fileiras do BNG, o seu caso é sintomático da deriva desse nacionalismo autonomista nos últimos anos, passando em matéria lingüística da defesa coerente do monolingüismo social e territorial ("unilingüismo" na terminologia da UPG nos anos 70 e 80), para a assinatura de um Plano Geral de Normalizaçom "de consenso" proposto polo PP e que dá continuidade à espanholizadora Lei de Normalizaçom Lingüística.

Também os sectores espanholfalantes e espanholescreventes no interior do BNG tenhem em Gonçales Marinhas o seu representante institucional máximo, se bem havia já outros menos conhecidos em postos municipais. Tendo isso em conta e considerando o papel do PSOE no novo Governo, será fundamental para o corpo social que aposta pola nossa língua mantermos a vigiláncia e aumentarmos a pressom ante o que pode ser umha política lingüística continuísta em relaçom à aplicada polo PP nas legislaturas anteriores.


Voltar à página principal

 

 

Gonçales Marinhas junto a outras figuras do regionalismo na apresentaçom do "Novo Estatuto" proposto polo BNG meses atrás