Farsa global na sede da ONU: 70% da populaçom pobre no mundo som mulheres

16 de Setembro de 2005

Coincidindo com a maior reuniom de líderes mundiais na história, que se vive nestes dias na sede da ONU em Nova Iorque, para tratarem da reforma dessa instituiçom e fazerem de conta que combatem a pobreza, a organizaçom internacional Social Watch divulgou um relatório bem eloqüente.

Segundo esse estudo, dos 1,3 bilions de pessoas pobres no mundo, 70% som mulheres, nom existindo um só país em que as mulheres gozem de facto as mesmas oportunidades sociais que os homens. Nos países com maior nível de igualdade, os rendimentos das mulheres costumam representar 65% dos que tenhem os homens, enquanto nos países com desigualdades mais marcadas, as mulheres nom ganham mais de 30% do que ganham, em média, os homens.

O estudo fai balanço da participaçom social e institucional da mulher, concluindo que a marginalizaçom é a norma, incluídos os parlamentos ditos "democráticos", em que ocupa, também em média, 15% dos lugares parlamentares.

Em relaçom ao combate à pobreza que teoricamente convocou os governos mundiais a debaterem na sede da ONU, o citado Observatório Social deitou um balde de água fria sobre os líderes mundiais reunidos no 60 aniversário da criaçom da ONU, advertindo que "a menos que ocorra umha mudança drástica nas actuais tendências, as metas definidas para 2015 polos líderes do mundo com vista à reduçom da pobreza nom serám alcançadas".

Essa contundente mas óbvia sentença fai referência aos chamados Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, aprovados em 2000 polos chefes de Estado e de Governo, que marcavam metas referidas ao Planeta para a reduçom da pobreza para metade, a universalizaçom do ensino, reduçom em dous terços da mortalidade infantil, conquista da equidade de género e garantia de sustentabilidade ambiental em 2015. Aqueles ambiciosos objectivos som confirmados pola ONU nestes dias, na cimeira de Nova Iorque, numha nova declaraçom de intençons tam falsa com a de há cinco anos.

Porém, desta vez, a "pedido" dos EUA, nom vai haver metas concretas estabelecidas para cada país, ficando ainda mais no ar do que já estavam esses supostos "objectivos do milénio", verdadeira farsa encenada polos líderes do capitalismo mundial.

 

Voltar à página principal

 

 

Crianças afegás: o imperialismo tem contribuído especialmente na última década para o incremento da miséria no mundo, que afecta as mulheres de maneira especial