Tourinho nom quer que o galego lhe crie problemas

30 de Janeiro de 2006

O presidente da Junta da Galiza, Emilio Peres Tourinho, exerceu de renegado perante o seu homólogo asturiano, Vicente Álvarez Areces, afirmando que "da Galiza nom vamos converter o idioma num problema", em referência à falta de direitos dos galegos e galegas dependentes da comunidade autónoma asturiana.

Tourinho desacreditava assim publicamente o seu sócio de governo, o BNG, numha matéria tam sensível para os interesses do nosso povo como é a política lingüística. Com efeito, a inclusom polo Bloque de umha referência à possível incorporaçom à CAG das comarcas excluídas polo actual Estatuto de Autonomia da Galiza provocou umha grande polémica mediática, diante da qual o PSOE voltou a desacreditar publicamente o seu acobardado sócio.

O presidente da Junta quijo tranquilizar o espanholismo pedindo que "ninguém tema" que a política lingüística se converta num problema [para o espanhol, entenda-se]. "Nunca foi [um problema] para a nossa comunidade e muito menos para as relaçons da Galiza fora do seu próprio território". Tourinho toma assim partido claramente polo imobilismo, negando a existência do conflito lingüístico e evitando qualquer compromisso público para a recuperaçom de usos sociais da nossa língua.

O líder da sucursal galega do PSOE acrescentou ainda, em referência à grave situaçom do galego nas comarcas de Návia-Eu e Vale do Íbias, que "este nom é um assunto que nos preocupe". Umha vergonhosa declaraçom que dá a medida das intençons de Tourinho e companhia no que à nossa língua di respeito.

Por seu turno, o vice-presidente, Anxo Quintana, perdeu também umha boa ocasiom para transmitir ao presidente asturiano umha reclamaçom institucional frente ao desprezo do Governo autónomo asturiano polos direitos lingüísticos das nossas e os nossos compatriotas nas citadas comarcas.

 

:: Mais informaçons sobre o mesmo tema

Cumprem-se seis meses de política lingüística continuísta (+...)

 

Voltar à página principal

 

 

Tourinho aproveitou a visita do presidente autonómico asturiano para fazer público o seu desprezo por umha política lingüística digna de tal nome