Gentalha do Pichel denuncia perseguiçom das reivindicaçons lingüísticas em Compostela

16 de Fevereiro de 2006

A Associaçom Cultural A Gentalha do Pichel, que desenvolve a sua actividade na capital da Galiza, denunciou publicamente a política de "limpeza" aplicada pola Cámara Municipal, em maos do PSOE e do BNG, contra iniciativas em defesa da língua como a elaboraçom de murais.

Em concreto, a entidade cultural cita as quatro ocasions consecutivas em que foi eliminado um mural no bairro de Santa Clara com a legenda "100% em galego". A Gentalha do Pichel pergunta "quais som os critérios que na Cámara Municipal de Compostela se utilizam para priorizar o trabalho e o dinheiro dos serviços de normalizaçom lingüística da cidade", umha vez que nom só se apagam os murais de maneira reiterada, mas também "há dinheiro para pagar a retirada sistemática dos nossos cartazes, escritos em galego e auto-financiados, porque as actividades, cursos e charlas que organizamos nom devem ser de interesse público".

Finalmente, sublinha-se que "há dinheiro também para pagar e conservar outros em espanhol nom sabemos ainda mui bem por que motivo", citando o financiamento de "colectivos e associaçons que utilizam exclusivamente o castelhano no desenvolvimento da sua actividade".

A Associaçom denuncia ainda o "silenciamento das reivindicaçons cidadás", e convoca umha nova pintagem colectiva do mesmo mural que a Cámara Municipal estraga continuamente num muro totalmente inservível e carente de qualquer valor patrimonial ou estético, como pode comprovar-se nos documentos gráficos que o citado colectivo cultural difundiu aos meios.


Voltar à página principal

 

 

Mural reivindicativo da língua antes de ser estragado por ordens do Governo municipal compostelano (PSOE-BNG)
O Governo autoproclamado "progressista e galeguista" de Compostela prefere ver assim o muro de Santa Clara