Dous operários da construçom morrem em obras do Porrinho e Foz

7 de Outubro de 2005

Um jovem trabalhador de 24 anos morreu ontem em Torneiros, no Concelho do Porrinho (comarca de Vigo) ao cair polo poço de um elevador do terceiro andar do prédio em construçom em que desenvolvia o seu trabalho. Os primeiros dados assinalam a rotura de umha tábua como causa da queda do obreiro até a cave, onde foi atendido polo serviço sanitário, morrendo ao pouco tempo.

Entretanto, no extremo oposto da naçom, na comarca da Marinha, um outro trabalhador, de 57 anos, morria e um ficava com ferimentos graves no Concelho de Foz, na obra de construçom da piscina municipal, ao caírem de umha grande altura.

Ainda em Burela, mais um acidente deixava com graves ferimentos um operário da construçom do Concelho de Návia (comarca galega da Terra de Návia-Eu, administrativamente asturiana), ao cair de mais de 10 metros de altura num prédio em construçom.

Estas novas mortes e acidentes de trabalhadores na Galiza coincidem com o reconhecimento por parte do presidente da Junta da Galiza, Emílio Peres Tourinho, do aumento "importante e sustentado" de acidentes laborais no nosso país, anunciando ante esse facto a aplicaçom do que chamou "Plano Integral de Emprego" durante a actual legislatura, bem como de um "Pacto Nacional polo Emprego", fruto de um acordo com os "agentes sociais" (patronato e sindicatos maioritários).

Entre os objectivos dessas medidas, Tourinho salientou a "estabilidade laboral e a segurança no trabalho", para o qual activará um "Plano Especial de Luita contra a Sinistralidade", um "plano de choque" para estender o que chamou "cultura da segurança" entre empresários e trabalhadores, incluindo medidas de carácter legislativo, administrativo e orçamentário. Além do mais, o Governo autonómico derrogará o decreto que criou o chamado Instituto Galego de Segurança e Saúde Laboral, ante a mais do que demonstrada inoperatividade desse organismo criado polo Partido Popular, substituindo-o por um novo com mais meios e participaçom de sindicatos e patronato.

A Conselharia do Trabalho apresentou um relatório em que afirma que o protótipo do acidentado laboral na Galiza é um homem de entre 25 e 34 anos, trabalhador de umha empresa com quadro de pessoal de 25 a 35 pessoas e três anos de antigüidade no posto. Os acidentes devem-se em grande medida ao sobreesforço a que se veem obrigados os trabalhadores e trabalhadoras, sendo os sectores mais atingidos o dos serviços (34,38%), indústria (32,39%) e construçom (26,02%).

Apesar das declaraçons de intençons de Tourinho e de outros integrantes do Governo actual, continuam os acidentes e, a seguir a cada um que acontece, continua a impunidade patronal, sem que se conheçam castigos exemplarizantes contra empresários que mantenhem na mais absoluta precariedade os seus empregados e empregadas. Também continuam as carências no que toca às inspecçons, incapazes de evitar que continue o ritmo de acidentes e mortes, como comprovamos com as acontecidas ontem mesmo no Porrinho e Foz.

 

:: Mais informaçons sobre o mesmo tema, publicadas durante 2005 no nosso portal

>>Setembro

Operário morto como conseqüência das queimaduras sofridas num acidente laboral em Cee (+...)

Operário de 25 anos morre numha obra de Ourense (+...)

>>Agosto

À espera de medidas concretas contra os acidentes laborais (+...)

Trabalhador de 25 anos morre em Vigo nas obras do IFEVI (+...)

Segurança no trabalho: confirma-se o baixo preço das mortes de obreir@s galeg@s (+...)

Mortes e despedimentos: violência patronal contra a classe trabalhadora continua (+...)

>>Julho

Sinistros laborais e impunidade: mais um operário morto na comarca de Vigo (+...)

Vigo: quinto obreiro morto no posto de trabalho em dous meses (+...)

Porto exterior: NÓS-UP reclama responsabilidades e CIG denuncia absoluta carência de segurança (+...)

Camionista morre nas obras do porto exterior da Corunha (+...)

>>Junho

Dous operários da construçom morrêrom nos últimos dias no posto de trabalho (+...)

>>Maio

Novo acidente laboral mortal, agora em Torre do Berzo (+...)

Outro operário morto enquanto trabalhava, desta vez em Vigo (+...)

Confirma-se responsabilidade patronal na morte de quatro operári@s em Ferrol (+...)

Outros três trabalhadores e umha trabalhadora morrem no posto de trabalho nos estaleiros de Ferrol (+...)

>>Abril

Jovem operário naval morre nos estaleiros de Ferrol (+...)

>>Março

Sinistralidade laboral aumentou na Galiza em 2004 (+...)

Mais umha vítima mortal por acidente laboral nas comarcas do Leste (+...)

>>Fevereiro

Operário da construçom morre no posto de trabalho no Berzo (+...)

Oito trabalhadores galegos do mar morrem no Cantábrico (+...)

>>Janeiro

Fene: jovem operário morto no posto de trabalho (+...)

Sinistros laborais graves aumentárom na Galiza 10% em 2004 (+...)

 

Voltar à página principal