Dous presos políticos bascos mortos nas prisons numha semana

3 de Março de 2006

A política penitenciária impulsionada polo Partido Popular e o PSOE nas últimas legislaturas começa a dar os frutos, em forma de extermínio da populaçom reclusa por motivos políticos.

Foi o caso de dous presos bascos durante a última semana: o primeiro, um jovem de 32 anos enforcado na cela da prisom de Cuenca, a quem acabavam de aumentar arbitrariamente a 20 anos a condena, que cumpria em condiçons de dispersom aplicada polo PSOE e o PP. O segundo, de 41 anos e vizinho de Portugalete (País Basco) e delegado sindical de LAB, morreu na manhá de hoje vítima de um enfarte no cárcere de Aranjuez. Ambos tinham sido vítimas de torturas durante as respectivas detençons.

Gasteiz viveu hoje manifestaçons de protesto contra a política penitenciária espanhola, que recentemente confirmou através do poder judicial a prisom perpétua de facto que espera a centenas de presos e presas políticas acusadas de delitos denominados "de terrorismo". A convocatória popular fora prevista para lembrar os cinco obreiros assassinados pola polícia franquista em Março de 1976, transformando-se numha denúncia das mortes de militantes bascos sob custódia penitenciária espanhola.

A polícia autonómica quijo impedir a manifestaçom, em que participavam por volta de 400 pessoas, e carregou com violência contra a mesma, detendo duas pessoas, umha delas menor de idade.

Lembremos finalmente que membros da Associaçom de Vítimas do Terrorismo (AVT), próxima do Partido Popular, brindárom publicamente nesta mesma semana pola morte do jovem preso basco enforcado no passado dia 27 de Fevereiro no cárcere de Cuenca.

 

Voltar à página principal

 

 

Momento da violenta detençom de um jovem durante a manifestaçom de hoje em Gasteiz