NÓS-UP confirma que participará na manifestaçom convocada pola Plataforma Nunca Mais

10 de Novembro de 2005

NÓS-Unidade Popular confirmou que a esquerda independentista participará na mobilizaçom que Nunca Mais convocou para domingo 13 de Novembro às 12 horas na Alameda de Compostela. Ao contrário do que aconteceu no ano passado, em que a convocatória foi avaliada como acto propagandístico e pré-eleitoral do autonomismo, nesta ocasiom, com o novo Governo já instalado e três meses decorridos desde a toma de posse de Tourinho, NÓS-UP estará nas ruas de Compostela "para reivindicar e exigir que se cumpram as reivindicaçons deste movimento social".

NÓS-Unidade Popular pendurou no seu web nacional um documento em que lembra que, três anos depois da catástrofe do Prestige, continua sem existir um diagnóstico exacto dos danos causados, quer a nível ambiental, quer económico. Além disso, continua a impunidade dos responsáveis políticos e, o que é mais grave, nom fôrom tomadas medidas para garantir ou sequer dificultar que um novo Prestige poda vir acontecer em frente ao litoral galego.

A organizaçom independentista reclama no escrito que distribuirá na manifestaçom do próximo domingo umha série de medidas urgentes, todas elas presentes na sua "Tabela reivindicativa de mínimos para o novo Governo autonómico", nomeadamente:

"-Limpeza imediata, completa e integral da costa e dos fundos marinhos ainda afectados polo afundamento.

-Realizaçom com fundos públicos dum macro-estudo que diagnostique o impacto ambiental e económico provocado na nossa costa.

-Elaboraçom urgente dum plano de contingência para acidentes marítimos, incluindo protocolos de actuaçom, dotaçom material e humana, aquisiçom de barcos para a recolha de resíduos tóxicos no mar e rebocadores para auxiliar qualquer navio.

-Fiscalizaçom seguindo critérios ambientalistas do tratamento dado ao fuelóleo recolhido.

-Análise e avaliaçom do estado de poluiçom actual das águas e da vida marinha, nomeadamente as especécies dedicads ao consumo humano. Adopçom, se proceder, das medidas restritivas ao consumo que forem necessárias, segundo os estándares mais exigentes de toxicidade.

-Aprovaçom dumha Lei galega de costas, alargando a distáncia protegida a partir da linha de preia-mar."


Voltar à página principal