Quintana volta a descartar a independência nacional e define o BNG como força "integradora"

31 de Maio de 2005

De visita pola América do Sul, o candidato à presidência da Junta da Galiza polo BNG insiste em negar qualquer carácter soberanista ao Bloque Nacionalista Galego. Primeiro foi no Jornal de Notícias português e depois no El País espanhol. Pola terceira vez nos últimos meses, Anxo Quintana transmite a imagem de estar mais preocupado por garantir a fidelidade constitucional do BNG a Espanha do que por afirmar a vontade soberanista do nacionalismo que se supom que representa.

Desta vez foi em Buenos Aires que o porta-voz do BNG, em lugar de aproveitar para difundir a nível internacional a mensagem da defesa da plena soberania nacional galega, sublinhou que "nom existe nengum problema de ruptura territorial", em referência ao Estado espanhol, acrescentando mais explicitamente: "Digo categoricamente que a unidade do Estado nom corre nengum perigo", negando a seguir que o BNG seja umha força independentista e definindo-a, em contraposiçom, como "integradora" (sic).

A negaçom de qualquer hipótese independentista por parte do BNG converteu-se nos últimos tempos num dos motivos recorrentes nas intervençons de Quintana e outros líderes como o próprio Francisco Rodrigues.

Assim, lembremos que no passado mês de Fevereiro, no Jornal de Notícias português, Anxo Quintana afirmou categoricamente que "o BNG nom é independentista", reivindicando "um lugar" para a Galiza no Estado espanhol. Em similares termos se manifestou o próprio candidato há poucos dias numha entrevista do jornal espanhol El País, em linha com o discurso do líder da UPG, Francisco Rodrigues, no último congresso da força hegemónica no seio do BNG.

Já praticamente em plena campanha para as eleiçons autonómicas, o BNG reafirma-se portanto na sua identidade histórica anti-independentista, assumindo a aposta autonomista reflectida na sua proposta de reforma estatutária.

 

Voltar à página principal