Decapitado em Tui monumento a um dos máximos ideólogos do fascismo espanhol

7 de Março de 2006

A estátua em granito de José Calvo Sotelo, um dos ideólogos e inspiradores do golpe de estado de 1936 que provocou a Guerra Civil e a ditadura militar que se seguiu, foi decapitada no passado dia 3 de Março, segundo informárom diversos meios de comunicaçom.

O monumento media 3 metros antes de ser decapitado por umha iniciativa popular anónima, e mantinha-se em pé numha praça central de Tui graças ao empenhamento da direita espanhola no poder local.

Um comunicado enviado a diversos webs galegos junto à imagem da cabeça informa de que a acçom tivo por objectivo "denunciar a impudorosa presença de simbologia fascista no nosso país setenta anos depois do levantamento militar contra a II República e posterior genocídio contra as classes populares".

Lembremos que, durante o presente ano, numerosas iniciativas populares estám a reivindicar a memória histórica antifascista, denunciando a permanência da iconografia do franquismo e a falta de reconhecimento para os milhares de galegos e galegas assassinados e represaliados polo fascismo espanhol durante quatro décadas de ditadura.

Curiosamente, La Voz de Galicia, um dos meios que publica informaçons sobre este acontecimento, afirma que a estátua era dedicada a Leopoldo Calvo Sotelo, ex-presidente do Governo espanhol pola UCD, falsidade que deixa de rastos o rigor jornalístico do citado jornal.

Dá-se a circunstáncia de que Tui foi um dos pontos da Galiza onde a barbárie fascista foi mais letal e descarnada. Porém, a memória nom pudo ser assassinada. A dignidade galega e popular subsiste.

Polo seu interesse, reproduzimos a seguir na íntegra o escrito em que se reivindica a acçom do passado dia 3 em Tui.

"Calvo Sotelo perdeu a cabeça em Tui

Na noite da passada quinta-feira 2 de Março a estátua de José Calvo Sotelo, nom de Leopoldo como incorrectamente tem reproduzido algum meio de comunicaçom, da cidade de Tui, foi contundentemente sabotada.
Num acto de reafirmaçom democrática e justiça foi decapitada a cabeça do dirigente fascista espanhol, um dos inspiradores intelectuais do sanguento 18 de Julho de 1936.

Esta acçom antifascista tem como objectivo denunciar a impudorosa presença de simbologia fascista no nosso País setenta anos depois do levantamento militar contra a II República e posterior genocídio contra as classes populares galegas, que na comarca do Baixo Minho tivo umha especial virulência.

Apelamos ao povo trabalhador galego a seguir este exemplo para eliminar todo vestígio fascista das ruas e espaços públicos da Galiza.

Viva Galiza Ceive, Socialista e Antipatriarcal

Galiza, 5 de Março de 2006"

 

Voltar à página principal

 

 

A iniciativa popular fijo perder a cabeça à estátua em pedra do líder fascista