NÓS-UP denuncia continuidade da gestom privada de serviços públicos na Junta da Galiza

11 de Janeiro de 2006

NÓS-Unidade Popular denunciou ontem, a partir da informaçom publicada por sindicatos e meios de comunicaçom, a adjudicaçom de "contratos milionários" de obras por parte da Junta da Galiza à empresa TRAGSA, famosa por ter sido utilizada polo Partido Popular durante anos para privatizar de maneira encoberta serviços públicos e servir de ferramenta das corruptelas na etapa de presidência do fascista Manuel Fraga.

A organizaçom independentista difundiu um comunicado intitulado "Contra as privatizaçons encobertas na Junta da Galiza: pola gestom pública dos serviços públicos", em que cita as conselharias do Ambiente, em maos do PSOE, e a do Meio Rural, em maos do BNG, como responsáveis pola adjudicaçom de diversas obras, incluindo grandes investimentos, a TRAGSA, lembrando que é "a mesma empresa que se fijo conhecida durante o desastre do Prestige, quando o PP a utilizou para encarregar-se dos labores de limpeza e recuperaçom das zonas mais afectadas polo derrame de fuelóleo".

Acrescenta NÓS-UP que já durante o desastre do Prestige houvo denúncias de todo o tipo de entidades sindicais e sociais "pola maneira como a Junta do PP a utilizou [a TRAGSA] para exercer de maneira clientelar a contrataçom, para privatizar e precarizar a luita contra a maré negra, segundo denunciárom no seu dia todos os sindicatos e organizaçons sociais agrupadas na Plataforma Nunca Mais".

Daí que a entidade soberanista e socialista galega denuncie "estes factos perante o povo trabalhador galego; uns factos que confirmam as piores perspectivas na acçom de governo do PSOE e o BNG, quase seis meses depois da investidura". NÓS-UP sublinha como o bipartido "nom só nom está a denunciar nem perseguir as práticas corruptas do Governo anterior, como parece disposto a manter algumhas das suas características mais negativas e contrárias aos interesses da maioria social galega".

O comunicado de NÓS-UP, que pode ser consultado na íntegra no seu web nacional, conclui afirmando que "Na medida em que essa seja a sua actuaçom, vai ter em frente a esquerda independentista, que nom vai outorgar nengum cheque em branco a ninguém para aplicar políticas neoliberais em nome do galeguismo e a esquerda".

Voltar à página principal

 

 

Alfredo Soares Canal, conselheiro do Meio Rural, um dos dous departamentos envolvidos na adjudicaçom de contratos milionários a TRAGSA