Iniciativa popular elimina vidraça fascista da Cámara Municipal de Tui

4 de Fevereiro de 2006

Segundo a informaçom recebida no nosso correio, a sede da instituiçom municipal de Tui perdeu a vidraça que com tanto esmero conservavam os herdeiros naturais do franquismo. Mais umha vez, a iniciativa popular substituiu a falta de compromisso democrático das instituiçons públicas e, por fim, fijo-se justiça eliminando um insulto a tant@s tudenses assassinad@s polos fascistas alçados em 1936 e represaliad@s durante décadas de franquismo na comarca do Baixo Minho.

A seguir, reproduzimos na íntegra o comunicado recebido junto às imagens que mostram o resultado da acçom antifascista da manhá de ontem no interior da Cámara Municipal de Tui.

"Destroçada vidraça fascista no interior da Cámara Municipal de Tui

Hoje, sexta-feira 3 de Fevereiro, às 11.30 da manhá, foi destroçada a vidraça fascista no interior da Cámara Municipal de Tui.

Esta acçom antifascista há que enquadrá-la na insultante presença de simbologia franquista numha boa parte do território nacional da Galiza, e na passividade cúmplice que, salvo contadas excepçons, manifesta o Estado espanhol, a Junta da Galiza e os Concelhos à hora de perpetuar a sua continuidade.

A sabotagem da vidraça de Tui tem um valor acrescentado por dous motivos:

1º- A Cámara Municipal nom só nom tinha retirado este homenagem ao terror fascista que tingiu de sangue, dor e miséria o nosso país, -tal como diversos sectores sociais levam reclamando nas últimas três décadas-, senom que num acto de prepotência e burla aos/às milhares de assassinad@s e torturad@s, e as suas famílias, incorporou ao conjunto o acual símbolo da Comunidade Autónoma.

2º- Tui foi o último grande núcleo urbano da Galiza que heroicamente mantivo umha feroz resistência ao levantamento fascista do 18 de Julho de 1936, escrevendo umha das mais brilhantes páginas da sua história e um dos melhores exemplos de coragem e valentia do proletariado galego que nunca devemos esquecer.

Eis o motivo polo que esta acçom está dedicada à memória e reconhecimento de tod@s @s tudenses que dérom a sua vida na defesa da liberdade e a justiça social, a tod@s aquelas mulheres e homes do povo trabalhador do Baixo Minho que sofrérom nas suas carnes a ilimitada brutalidade e intolerância da voraz besta que é o fascismo espanhol.

Neste ano 2006 é um dever democrático e ineludível retirar toda a simbologia presente nas ruas da Galiza. Se as autoridades municipais, autonómicas e estatais incumprem a sua própria legalidade, o povo trabalhador galego está legitimado para agir directamente na sua execuçom.

Desde hoje Tui e a Galiza estám mais limpas, som mais livres, estám menos contaminadas por um passado que nom devemos nunca esquecer.

As terríveis conseqüências daqueles factos, os herdeiros políticos dos pistoleiros falangistas, dos esquadrons da morte que regárom de sangue as cunetas do nosso país, da burguesia e poderes económicos que os dirigiam, seguem ainda presentes nas autoridades municipais da bela cidade abraçada polo Minho.

Até que Galiza se desprenda do terror colectivo que empapa geraçom após geraçom o coraçom e a subjectividade de centenares de milhares de homes e mulheres que nom esquecem o holocausto galego, nom poderemos ser um povo livre e emancipado.

Este acto quer contribuir a dar aços ao nosso povo, quer servir para superar os traumas colectivos que arrastamos, e mostrar sem ambigüidades e complexos que a luita é o único caminho para atingirmos os objectivos d@s que nom morrérom em balde.

Contra o fascismo nem um só minuto de trégua!!

Simbologia franquista fora da Galiza!

Viva Galiza Ceive, Socialista e nom Patriarcal!

Tui, Baixo Minho, 3 de Fevereiro de 2006"

 

 

Voltar à página principal

 

 

Pormenor do estado em que ficou a vidraça de exaltaçom fascista que presidia a Cámara Municipal de Tui. Em pequeno, imagem anterior à sua eliminaçom. Clica na imagem para a veres aumentada