Primeira vítima mortal da violência machista na Galiza em 2006

20 de Janeiro de 2006

Sabíamos que era questom de tempo, umha vez que os mecanismos que permitem a contínua violência contra as mulheres continuam intactos em todas as ordens da vida social galega. Nom chegou a findar o mês de Janeiro e já temos que informar da morte da primeira mulher a maos de um homem na nossa naçom em 2006.

Foi umha jovem de 21 anos, vizinha de Baiona, comarca de Vigo, seqüestrada e assassinada por Francisco Javier Reis Barreiro, de 29 anos, vizinho de Caldelas de Tui. Pola nossa parte, evitaremos participar do coro de laios hipócritas das instituiçons, os media e os partidos políticos do sistema. Preferimos encorajar as mulheres a darem passos na auto-organizaçom e a denúncia para combaterem o patriarcado, no quadro de umha luita globa contra o capitalismo que o alimenta.

NÓS-Unidade Popular já manifestou a sua repulsa nom só contra este novo assassinato, mas também contra a atitude de quem promove o poder machista no dia a dia e chora hipocritamente cada nova morte. A organizaçom independentista e socialista afirma que "só a auto-organizaçom e a mobilizaçom social das mulheres, denunciando publicamente com nomes e apelidos quem som os agressores e também apoiando aquelas mulheres que com tanta valentia denunciam esses indivíduos é o único caminho para derrotar esta lacra".

No comunicado, publicado no seu web nacional, remete ainda para a epígrafe correspondente na sua "Tabela reivindicativa de mínimos para o novo governo", onde assinala medidas bem concretas para dar passos reais na erradicaçom da violência contra as mulheres.

Convocada concentraçom em Ponte Areas

A Assembleia de Mulheres do Condado (AMC) também emitiu um comunicado de condena, lembrando os "antecedentes mais próximos: Débora Fernandes Cerveira (22 anos, desaparecida na praia de Samil em Abril de 2002) e Sara Alonso (desaparecida em Setembro de 2004)", e situando-os "no quadro de violência machista generalizado, no qual as mortes som tam só a ponta do icebergue."

A AMC convoca "o povo de Ponte Areas" a umha concentraçom hoje, 20 de Janeiro, às 20:30h, em frente da Cámara Municipal de Ponte Areas, a cujas autoridades reclama de maneira específica que "secundem a convocatória e mostrem assim a sua repulsa ao terrorismo machista e a sua solidariedade com @s familiares e conhecid@s da vítima."

 

Voltar à página principal