Umha advertência à África: A nova grande estratégia imperial dos EUA

4 de Julho de 2006

Primeira Linha em Rede apresenta o artigo “Umha advertência à África: A nova grande estratégia imperial dos EUA” no que John Bellamy Foster, Editor da Monthly Review, e autor de Naked Imperialism: The U.S. Pursuit of Global Dominance (New York: Monthly Review Press, 2006) analisa a política imperialista norteamericana sobre este continente.  Este artigo é umha versom actualizada e revista de uma palestra apresentada no Fórum Social Mundial em Bamako, Mali, em 20/Janeiro/2006.
O original encontra-se em http://www.monthlyreview.org/0606jbf.htm

 

Umha advertência à África: A nova grande estratégia imperial dos EUA

O imperialismo é umha constante do capitalismo. Mas ele passa através de várias fases à medida que o sistema evolui. Na actualidade o mundo está a experimentar uma nova era de imperialismo assinalado por uma grande estratégia americana de dominaçom global. Uma indicaçom de quanto mudaram as cousas é o facto de que os militares americanos agora som verdadeiramente globais nas suas operaçons, com bases permanentes em todos os continentes, incluindo a África onde umha nova luita polo controlo está a ter lugar com enfoque no petróleo.

A opiniom da elite nos Estados Unidos na década imediatamente a seguir ao colapso da Uniom Soviética muitas vezes denunciava a ausência de umha grande estratégia americana comparável a aquela que George Kennan etiquetou como de "contençom", sob o manto da qual os Estados Unidos intervieram em toda a parte durante os anos da Guerra Fria. A questom chave, tal como colocada em Novembro de 2000 polo analista de segurança nacional Richard Haass, era a de determinar como os Estados Unidos deveriam utilizar o seu presente "excesso de poder" para remodelar o mundo. A resposta de Haass, que sem dúvida contribuiu para que logo a seguir fosse contratado como director da política de planeamento no Departamento de Estado de Colin Powell na nova administraçom Bush, era promover uma estratégia da "América Imperial" destinada a assegurar a predominância global americana durante as décadas seguintes. Poucos meses antes umha grande estratégia semelhante, se bem que ainda mais cruamente militarista, fora apresentada pelo Project for the New American Century, num relatório assinado pelas futuras figuras de topo da administraçom Bush, Donald Rumsfeld, Paul Wolfowitz e Lewis Libby, entre outros.
[1]

Esta nova grande estratégia imperial tornou-se realidade, a seguir aos ataques do 11 de Setembro de 2001, nas invasons americanas do Afeganistam e do Iraque  -e passou logo a ser venerada na declaraçom de 2002 da Estratégia de Segurança Nacional da Casa Branca. Concluindo a nova investida imperial na Harvard Magazine, Stephen Peter Rosen, director do Olin Institute for Strategic Studies de Harvard e membro fundador do Project for the New American Century, escreveu:

“Umha unidade política que superioridade esmagadora em poder militar, e utiliza tal poder para influenciar o comportamento interno de outros estados, é chamada um império. Como os Estados Unidos nom procuram controlar território ou governar os cidadaos do império além mar, somos um império indirecto mas, temos de admitir, no entanto um império. Se isto é correcto, nosso objectivo nom é combater um rival, mas manter nossa posiçom imperial e manter a ordem imperial. O planeamento para guerras imperiais é diferente do planeamento para guerra convencionais internacionais... Guerras imperiais para restaurar a ordem nom som tam forçadas [por consideraçons de dissuasom]. A quantidade máxima de força poderia e deveria ser usada tam rapidamente quando possível para impacto psicológico -para demonstrar que o império nom pode ser desafiado com impunidade... A estratégia imperial focaliza-se em prevenir a emergência de rivais poderosos e hostis ao império: pola guerra se necessário, mas também pola assimilaçom imperial se possível”. [2]

Comentando em fins de 2002 na Foreign Policy, John Lewis Gaddis, professor de história militar e naval em Yale, declarou que o objectivo da guerra iminente ao Iraque era infligir uma "Agincourt na margens do Eufrates". Isto seria uma demonstraçom de poder tam grande que, tal como na famosa vitória de Henrique V no século XV em França, a paisagem geopolítica seria alterada durante as décadas seguintes. O que em última análise estava em causa, segundo Gaddis, era "a administraçom do sistema internacional por uma única hegemonia"  -os Estados Unidos. Este assegurar da hegemonia sobre todo o mundo polos Estados Unidos por meio de acçons antecipativas (preemptive) era, argumentou ele, nada menos que "umha nova grande estratégia de transformaçom". [3]

A NATUREZA DA GRANDE ESTRATÉGIA
Desde o tempo de Clausewitz, as tácticas têm sido concebidas nos círculos militares como "a arte de utilizar tropas na batalha" e a estratégia como "a arte de utilizar batalhas para vencer uma guerra".
[4] Em contraste, a ideia de "grande estratégia" promovida classicamente por estrategas e historiadores militares, tais como Edward Meade Earle e B. H. Liddel Hart, referem-se à integraçom do potencial de fazer a guerra de um estado com as suas finalidades políticas e económicas mais vastas. Como observou o historiador Paul Kennedy em Grand Strategies in War and Peace (1991): "umha verdadeira grande estratégia" está "preocupada com a paz tanto quanto (talvez mesmo mais ainda) com a guerra... com a evoluçom ou integraçom de políticas que deveriam vigorar durante décadas, ou mesmo séculos". [5]

Grandes estratégias som geopolíticas na orientaçom, conformadas para a dominaçom de regions geográficas inteiras  -incluindo recursos estratégicos como minérios e vias navegáveis, activos económicos, populaçons e posiçons militares vitais. A maior parte das grandes estratégias com êxito vistas no passado fôrom aquelas de impérios duradouros, os quais foram capazes de manter o seu poder sobre grandes espaços geográficos durante extensos períodos de tempo. Portanto, os historiadores da grande estratégia habitualmente o Império Britânico no século XIX (Pax Britannica) e também o antigo Império Romano (Pax Romana).

Para os Estados Unidos hoje o que está em jogo já nom é o controlo de uma simples porçom do globo, mas umha Pax Americana verdadeiramente global. Embora alguns comentadores tenham visto a mais recente investida imperial americana como obra de umha pequena cabala de neoconservadores dentro da administraçom Bush, a realidade é a de umha vasta concordância dentro da estrutura de poder americana acerca da necessidade de expandir o império dos EUA. Umha colecçom recente, incluindo contribuiçons de críticos da administraçom, intitula-se The Obligation of Empire: United States' Grand Strategy for a New Century.
[6]

Ivo. H. Daadler (investigador senior na Brookings Institution e ex-conselheiro de política externa de Howard Dean) e James M. Lindsay (vice-presidente do Council on Foreign Relations, empregado anteriormente pelo National Security Council de Clinton) argumenta no seu livro America Unbound que os Estados Unidos há muito têm um "império secreto", disfarçado pelo multilateralismo. A política unilateral da Casa Branca de Bush de construir o "império só sobre o poder americano" mudou as cousas só na medida em que jogou fora o carácter escondido do império e reduziu sua força global ao confiar menos nos estados vassalos. Segundo Daadler e Lindsay, os Estados Unidos agora estam sob o comando de pensadores "hegemonistas" que querem assegurar que os Estados Unidos dominam todo o globo, tanto no seu auto-interesse nacional como com o objectivo de remodelar o mundo em sintonia com o "imperialismo democrático". Mas uma postura tam agressiva, destacam eles, nom está fora dos limites históricos da política americana. Um impulso imperial unilateralista pode ser rastreada desde Theodore Roosevelt e estava presente desde o princípio da era da Guerra Fria nas administraçons Truman e Einsenhower. Apesar disso, Daadler e Lindsay apresentam a possibilidade de umha estratégia mais cooperativa, com as outras grandes potências a alinharem-se por trás dos Estados Unidos, como uma abordagem superior para administrar um império.
[7]

Tal imperialismo cooperativo, contodo, torna-se mais difícil de alcançar uma vez que o poder hegemónico começa a desvanecer-se. Nom só os Estados Unidos estam a sofrer umha competiçom económica acrescida como, com o fim da Uniom Soviética, a aliança NATO enfraqueceu os vassalos europeus de Washington que nem sempre seguem sua liderança, ainda que nom sejam capazes de desafiá-la directamente. A tentaçom que confronta uma potência hegemónica em declínio -ainda armada e perigosa- em tais circunstâncias é tentar reconstruir e mesmo expandir seu poder actuando unilateralmente e monopolizando as pilhagens (spoils).

A GUERRA PELO “NOVO SÉCULO AMERICANO”
O capitalismo é um sistema em escala mundial no âmbito económico mas dividido politicamente em estados competidores que se desenvolvem economicamente a diferentes taxas. A contradiçom do desenvolvimento capitalista desigual foi expressa classicamente por Lenin em 1916, em Imperialismo, etapa superior do capitalismo.

“Nom pode haver nengumha outra base concebível sob o capitalismo para a divisom de esferas de influência, de interesses, de colónias, etc do que um cálculo da força dos participantes na divisom, da sua fortaleza económica, financeira, militar, etc. E a fortaleza destes participantes na divisom nom muda num grau igual, pois sob o capitalismo o desenvolvimento de diferentes empreendimentos, trusts, ramos de indústria ou países nom pode ser igual. Meio século atrás, a Alemanha era um país miserável e insignificante, no que se refere à sua fortaleza capitalista, em comparaçom com a fortaleza da Inglaterra daquele tempo. O Japom era analogamente insignificante em comparaçom com a Rússia. Será "concebível" que num espaço de tempo de dez ou vinte anos a fortaleza relativa das potências imperialistas venha permanecer imutável? É absolutamente inconcebível”. [8]

Actualmente é amplamente reconhecido que o mundo está a experimentar uma transformaçom económica global. Nom só arrefece a taxa de crescimento da economia global como um todo como a fortaleza relativa dos Estados Unidos continua a enfraquecer. Em 1950 os Estados Unidos representavam cerca da metade do PIB mundial, caindo para pouco mais de um quinto em 2003. Da mesma forma, representava quase a metade do stock mundial de investimento directo estrangeiro em 1960, comparado com pouco mais de 20 por cento no princípio deste século. Segundo projecçons da Goldman Sachs, a China poderia ultrapassar os Estados Unidos como a maior economia do mundo em 2039. [9]

Esta ameaça crescente à potência americana está a alimentar a obsessom de Washington com o assentar dos fundamentos para um "Novo século americano". O seu actual intervencionismo é destinado a aproveitar o seu actual primado económico e militar a curto prazo para assegurar activos estratégicos que proporcionaram garantias a longo prazo de supremacia global. O objectivo é estender o poder americano directamente e ao mesmo tempo privar competidores potencial daqueles activos estratégicos vitais que possam permitir-lhes finalmente desafiá-lo globalmente ou mesmo dentro de regions particulares.

The National Security Strategy of the United States de 2002 deu notícia de que "Nossas forças seram suficientemente fortes para dissuadir adversários potenciais de buscar um fortalecimento militar na esperança de ultrapassar, ou igualar, o poder dos Estados Unidos". Mas grande estratégia estende-se para além de simples poder militar. Vantagens económicas em relaçom a rivais potenciais som a moeda real da competiçom inter-capitalista. Portanto, a grande estratégia americana integra o poder militar com a luita polo controlo de capitais, comércio, o valor do dólar e matérias-primas estratégicas.

O ordenamento mais claro dos objectivos da estratégia americana talvez tenha sido proporcionado por Robert J. Art, professor de relaçons internacionais em Brandeis e investigador associado do Olin Institute, em A Grand Strategy for America. "Umha grande estratégia", escreve ele, "conta aos líderes de uma naçom que objectivos deveriam eles atingir e como podem utilizar melhor a potência militar do seu país para atingir estes objectivos". Ao conceptualizar uma tal grande estratégia para os Estados Unidos, Art apresenta seis "interesses nacionais dominantes" por ordem de importância:

  Primeiro, impedir um ataque sobre o solo americano.

  Segundo, impedir umha guerra euro-asiáticas de grandes potências e, se possível, as intensas competiçons de segurança que as tornam mais prováveis.

  Terceiro, preservar o acesso a um abastecimento de petróleo a preços razoáveis e seguro.

  Quarto, preservar uma ordem económica internacional aberta.

  Quinto, promover a difusom da democracia e o respeito pelos direitos humanos no exterior, e impedir o genocídio ou o assassínio em massa em guerras civis.

  Sexto, proteger o ambiente global, especialmente dos efeitos adversos do aquecimento global e mudanças climáticas severas.

Após a adequada defesa nacional, i.e., a defesa "da pátria" contra ataque externo, as três mais importantes prioridades estratégicas seguintes som entom: (1) o tradicional objectivo geopolítico da hegemonia sobre a área central euro-asiática encarada como a chave para o poder mundial, (2) assegurar o controlo sobre os abastecimentos mundiais de petróleo, e (3) promover relaçons económicas capitalistas globais.

A fim de cumprir estes objectivos, argumenta Art, Washington deveria "manter forças em bases avançadas" na Europa e na Ásia Oriental (as duas bordas da Eurásia com grandes concentraçons de poder) e no Golfo Pérsico (contendo o grosso das reservas mundiais de petróleo). "A Eurásia é o lar da maior parte dos povos do mundo, da maior parte das suas reservas provadas de petróleo, e a maior parte das suas potências militares, assim como de uma grande proporçom do seu crescimento económico". É portanto crucial que a grande estratégia imperial americana esteja destinada a fortalecer sua hegemonia nesta regiom, a principiar pelas regions petrolíferas chave da Ásia Sul e Central.
[10]

Com as guerras em curso e as ocupaçons do Afeganistam e do Iraque ainda nom resolvidas, Washington tem estado a aumentar suas ameaças de um ataque "antecipativo" ao mais poderoso vizinho destes estados, o Iram. A principal justificaçom apresentada para isto é o programa de enriquecimento de urânio do Iram, o qual poderia finalmente permitir-lhe desenvolver capacidades em armas nucleares. Mas há outras razons para os Estados Unidos estarem interessados no Iram. Tal como o Iraque, o Iram é um importante produtor de petróleo, agora com a segunda maior reservada provada de petróleo, atrás da Arábia Saudita e à frente do Iraque. O controle do Iram é assim crucial para o objectivo de Washington de dominar o Golfo Pérsico e o seu petróleo.

A importância geopolítica do Iram, além disso, estende-se muito para além do Médio Oriente. Ele é uma peça chave (como é o caso também do Afeganistam) no Novo Grande Jogo pelo controlo de toda a Ásia Sul-Central, incluindo a Bacia Marítima do Cáspio com suas enormes reservas de combustíveis fósseis. Os planeadores estratégicos americanos estam obcecados com os temores de uma rede de segurança energética asiática, na qual a Rússia, a China, o Iram e os países da Ásia Central (incluindo possivelmente também o Japom) ficariam economicamente juntos e dentro de um acordo energético para romper a camisa de força americana e ocidental sobre o mercado mundial do petróleo e do gás  -criando as bases para uma tranferência geral do poder mundial para o Leste. No momento a China, a economia em mais rápido crescimento do mundo, carece de segurança energética apesar de a sua procura por combustíveis fósseis estar em crescimento rápido. Ela está a tentar resolver isto parcialmente através de maior acesso aos recursos energéticos do Iram e dos estados da Ásia Central. As recentes tentativas americanas de estabelecer uma aliança mais forte com a Índia, com Washington a sustentar o status da Índia como potência nuclear, som claramente parte deste Novo Grande Jogo polo controlo da Ásia Sul-Central  -rememorativo do Grande Jogo do século XIX entre a Gram-Bretanha e a Rússia polo controlo desta parte da Ásia.
[11]

A NOVA DISPUTA POR ÁFRICA
Se há um Novo Grande Jogo em marcha na Ásia há também umha "Nova Disputa pola África" da parte das grandes potências. [12] The National Security Strategy of the United States de 2002 declarou que "combater o terror global" e garantir a segurança energética americana exigiam que os Estados Unidos aumentassem seus compromissos para com a África e apelava a "coligaçons de vontades" para gerar acordos de segurança regional naquele continente. Logo a seguir o U.S. European Command, com base em Stuttgart, Alemanha  -responsável polas operaçons militares americanas na África Sul-Saariana-  aumentou suas actividades na África Ocidental, centrando-se naqueles estados com produçom de petróleo substancial e ou reservas no ou em torno do Golfo da Guiné (que se estende aproximadamente da Costa do Marfim até Angola). O Comando Europeu dos militares americanos agora dedica 70 por cento do seu tempo a assuntos africanos, um salto em relaçom à actividade quase nula até 2003. [13]

Como destacado por Richard Haass, agora presidente do Council on Foreign Relations, no seu prefácio ao relatório de 2005 do Conselho intitulado More Than Humanitarianism: A Strategic U.S. Approach Toward Africa: "No fim da década a África sub-saariana provavelmente tornará-se tam importante como fonte de importaçons energéticas americanas quanto o Médio Oriente".
[14] A África Ocidental tem uns 60 mil milhons de barris de reservas provadas de petróleo. Seu petróleo tem baixo conteúdo de enxofre, umha característica apreciada pola economia americana. Agências americanas e think tanks prevêm que um em cada cinco novos barris de petróleo a entrarem na economia global na segunda metade desta década virá do Golfo da Guiné, elevando sua participaçom de 15 para mais de 20 por cento em 2010, e 25 por cento em 2015. A Nigéria já abastece os Estados Unidos com 10 por cento do seu petróleo importado. Angola fornece 4 por cento das importaçons americanas de petróleo, as quais poderiam duplicar no fim da década. A descoberta de novas reservas e a expansom da produçom petrolífera estam a tornar outros estados na regiom em grande exportadores de petróleo, inclusive a Guiné Equatorial, São Tomé e Príncipe, Gabom, Camarons e Chad. A Mauritânia está destinada a emergir como exportador de petróleo em 2007. O Sudam, delimitado polo Mar Vermelho a leste e o Chad a oeste, é um importante produtor de petróleo.

Actualmente a principal base militar americana permanente na África é aquela estabelecida em 2002 no Djibouti, no Corno da África, dando aos Estados Unidos controlo estratégico da zona marítima através da qual passa um quarto da produçom mundial de petróleo. A base no Djibouti também está muito próxima do oleoduto sudanês. (Os militares franceses tiveram uma prolongada grande presença no Djibouti e também têm umha base aérea em Abeche, Chad, na fronteira sudanesa). A base no Djibouti permite aos Estados Unidos dominarem o extremo oriental da vasta faixa de petróleo que atravessa a África e que é agora considerada vital para seus interesses estratégicos  -umha extensa faixa que vai do sudoeste a partir do oleoduto de
994 milhas (1.600 km) Higleig-Porto Sudam a leste até o oleoduto de 640 milhas (1.030 km) Chad-Camarons e o Golfo da Guiné a ocidente. Umha nova operaçom em andamento de localizaçom no Uganda dá aos Estados Unidos o potencial para dominar o Sudam meridional, onde está a ser descoberta a maior parte do petróleo daquele país.

Na África Ocidental, o Comando Europeu dos militares americanos estabeleceu agora locais de operaçom avançada no Senegal, Mali, Gana e Gabom  -assim como na Namíbia, junto à fronteira sul de Angola-  o que envolve melhorias de aeródromos, o pré-posicionamento de abastecimentos críticos e combustível, e o acesso a acordos para a instalaçom rápida de tropas americanas.
[15] Em 2003 ele lançou um programa de contra-terrorismo na África Ocidental, e em Março de 2004 Forças Especiais dos EUA estiveram directamente envolvidas numha operaçom militar com países do Sahel contra o Grupo Salafista por Pregaçom e Combate  -na lista de organizaçons terroristas de Washington. O Comando Europeu dos EUA está a desenvolver um sistema de segurança costeira no Golfo da Guiné chamado Gulf of Guinea Guard. Também tem estado a planificar a construçom de umha base naval americana em São Tomé e Príncipe, a qual o Comando Europeu deu a entender que poderia rivalizar com a base naval americana de Diego Garcia no Oceano Índico. O Pentágono está portanto a mover-se agressivamente para estabelecer umha presença militar no Golfo da Guiné que lhe permitirá controlar a parte ocidental da vasta faixa petrolífera trans-africana e as reservas vitais de petróleo que agora estam a ser descobertas ali. A Operaçom Flintlock, um primeiro exercício militar americano na África Ocidental em 2005, incorporou 1.000 Forças Especiais americanas. O Comando Europeu americano irá conduzir exercícios neste verao para a sua nova força de reacçom rápida do Golfo da Guiné.

O indicador aqui é seguir o comércio: todas as grandes corporaçons petrolíferas americanas e ocidentais estam a disputar o petróleo da África Ocidental e a exigir segurança. O Comando Europeu dos militares americanos, relatou o Wall Street Journal no número de 25 de Abril, também está a trabalhar com a Câmara de Comércio dos EUA para expandir o papel das corporaçons americanas na África como parte de uma "reacçom americana integrada". Nesta disputa económica polos recursos petrolíferos da África as antigas potências coloniais, Gram-Bretanha e França, estam em competiçom com os Estados Unidos. Militarmente, entretanto, elas estam a trabalhar estreitamente com os Estados Unidos para assegurar o controlo imperial ocidental da regiom.

A preparaçom militar americana em África é muitas vezes justificada como necessária para combater o terrorismo e para conter a instabilidade crescente na regiom petrolífera da África sub-saariana. Desde 2003 o Sudam tem sido dilacerado pola guerra civil e polo conflito étnico centrado na sua regiom sudoeste de Darfur (onde está localizada grande parte do petróleo do país), resultando em inumeráveis violaçons de direitos humanos e matanças em massa da populaçom da regiom por forças de milícia ligadas ao governo. Tentativas de golpe verificaram-se recentemente nos novos petro-estados de São Tomé e Príncipe (2003) e Guiné Equatorial (2004). O Chad, que é dirigido por um regime brutalmente opressivo protegido por um aparelho de segurança e de inteligência apoiado pelos Estados Unidos, também experimentou umha tentativa de golpe em 2004. Um golpe com êxito tivo lugar na Mauritânia em 2005 contra o homem forte Ely Ould Mohamed Taya, apoiado polos EUA. As três décadas de guerra civil em Angola  -instigada e alimentada polos Estados Unidos, os quais junto com a África do Sul organizaram o exército terrorista da UNITA de Jonas Savimbi- perdurou até o cessar fogo que se seguiu à morte de Savimbi em 2002. Na Nigéria, o país hegemónico na regiom, está generalizada a corrupçom, revoltas e roubo organizado de petróleo, com consideráveis porçons da produçom petrolífera na regiom do Delta do Níger a serem trasfegadas  -mais de 300 mil barris por dia no princípio de 2004.
[16] O ascenso da insurgência armada no Delta do Níger e o potencial de conflito entre o norte islâmico e o sul nom-islâmico do país é umha grande preocupaçom americana.

Portanto, há apelos incessantes e nengumha falta de justificaçons aparentes para "intervençons humanitárias" americanas na África. O relatório More than Humanitarianism do Council on Foreign Relations insiste em que "os Estados Unidos e seus aliados devem estar prontos para tomar a acçom apropriada" em Darfur, no Sudam, "incluindo sançons e, se necessário, intervençom militar, se o Conselho de Segurança estiver bloqueado de assim proceder". Enquanto isso, a noçom de que os militares americanos podem dentro em breve precisar intervir na Nigéria está a ser amplamente divulgada entre peritos e em círculos políticos. Jeffrey Taylor, correspondente do Atlantic Monthly, em Abril de 2006 afirmou que a Nigéria tornou-se "o maior estado fracassado sobre a Terra", e que umha nova desestabilizaçom daquele estado, ou sua tomada por forças radicais islâmicas, poria em perigo "as abundantes reservas de petróleo que a América prometeu proteger. Se este dia chegasse, ele anunciaria uma intervençom militar de longe mais maciça do que a campanha iraquiana".
[17]

Mais ainda: grandes estrategas americanos esclarecem que as questons reais nom som os próprios estados africanos e o bem estar das suas populaçons mas sim o petróleo a crescente presença da China na África. Como observou o Wall Street Journal em "Africa Emerges as a Strategic Battlefield", "a China tornou a África uma linha de frente na sua busca de mais influência global, triplicando o comércio com o continente para uns US$ 37 mil milhons ao longo dos últimos cinco anos e retendo activos energéticos, fechando acordos comerciais com regimes como o do Sudam e educando futuras elites da África em universidades e escolas militares chinesas". Em More than Humanitarianism, o Council on Foreign Relations descreve a ameaça principal como vindo da China: "a China alterou o contexto estratégico na África. Em toda a África de hoje a China está a adquirir controlo de activos de recursos naturais, a ultrapassar construtores ocidentais em grandes projectos de infraestrutura e a proporcionar empréstimos suaves e outros incentivos para fortalecer sua vantagem competitiva".
[18] A China importa da África mais de um quarto do seu petróleo, primariamente de Angola, Sudam e Congo. Ela é o maior investidor estrangeiro no Sudam. Está a fornecer subsídios pesados à Nigéria para aumentar sua influência e tem estado a vender ali avions de combate. O mais ameaçador do ponto de vista dos grandes estrategas americanos é o empréstimo a Angola de US$ 2 mil milhons a juros baixos em 2004, o qual permitiu a Angola resistir às exigências do FMI de reestruturar sua economia e sociedade de acordo com linhas neoliberais.

Para o Council on Foreign Relations, todo isto constitui nada menos que umha ameaça ao controlo imperialista ocidental da África. Dado o papel da China, o relatório do Conselho diz que "os Estados Unidos e a Europa nom podem considerar a África sua chasse gardé [terreno privado de caça], como os franceses outrora encaravam a África francófona. As regras estam a mudar pois a China procura nom só ganhar acesso a recursos como também controlar a produçom e distribuiçom de recursos, a posicionar-se talvez para o acesso prioritário aos mesmos quando se tornarem mais escassos". O relatório do Conselho sobre a África está tam preocupado em combater a China através da expansom de operaçons militares americanas na regiom que nada menos que Chester Crocker, antigo secretário de Estado assistente para assuntos africanos na administraçom Reagan, enfada-se alto e bom som: "tristemente nostálgico de uma era em que os Estados Unidos ou o Ocidente eram as únicas grandes influências e podiam perseguir seus objectivos à vontade ".
[19]

O que é certo é que o império americano está a ser ampliado para abarcar partes da África na busca voraz de petróleo. Os resultados poderiam ser devastadores para os povos da África. Tal como a antiga disputa pola África, esta nova é uma luita entre grandes potências por recursos e pilhagem  -nom polo desenvolvimento da África ou o bem estar da sua populaçom.


UMHA GRANDE ESTRATÉGIA DE ALARGAMENTO
Apesar do rápido evoluir do contexto estratégico e da mudança para um imperialismo mais nu nos últimos anos, há uma consistência na grande estratégia imperial americana, a qual decorre do acordo amplo no topo extremo da estrutura de poder americana de que os Estados Unidos deveriam procurar "supremacia global" como afirmou o antigo conselheiro de segurança nacional do presidente Jimmy Carter, Zbigniew Brzezinski.
[20]

O relatório de 2006 do Council on Foreign Relations, More Than Humanitarianism, que apoia o alargamento da grande estratégia americana para a tomada da África, foi co-presidido por Anthony Lake, conselheiro de segurança nacional de Clinton de
1993 a 1997 e Christine Todd Whitman, antiga responsável do Environmental Protection Agency sob Bush. Como conselheiro de Clinton Lake desempenhou um papel importante na definiçom da grande estratégia americana naquela administraçom. Num discurso intitulado "Da contençom ao alargamento", apresentado na Escola de Estudos Avançados Internacionais na Universidade Johns Hopkins em 21 de Setembro de 2003, ele declarou que com o colapso da Uniom Soviética os Estados Unidos constituíam "a potência dominante ... temos os militares mais fortes do mundo, a maior economia e a mais dinâmica sociedade multiétnica ... Contivemos umha ameaça global às democracias de mercado, agora deveríamos procurar alargar o seu alcance. A sucessora de umha estratégia de contençom deve ser uma estratégia de alargamento". Traduzido, isto significa umha expansom da esfera do capitalismo mundial sob a protecçom estratégica militar americana. Os principais inimigos desta nova ordem mundial foram caracterizados por Lake como "estados em retrocesso", especialmente o Iraque o Iram. A insistência de Lake, no princípio da era Clinton, numha grande "estratégia de alargamento" para os Estados Unidos está a ser realizada hoje com a ampliaçom do papel dos militares americanos nom só na Ásia Central e no Médio Oriente como também em África. [21]

A grande estratégia imperial americana é menos um produto de políticas geradas em Washington por esta ou aquela ala da classe dominante do que um resultado inevitável da posiçom de poder que o capitalismo americano descobre em si no princípio do século XXI. A força económica americana (juntamente com a dos seus aliados mais próximos) tem estado a declinar de um modo razoavelmente constante. As grandes potências provavelmente nom manteram economicamente a mesma relaçom entre si duas décadas a partir daqui. Ao mesmo tempo o poder militar americano aumentou relativamente com o fim da Uniom Soviética. Os Estados Unidos agora representam cerca da metade de toda a despesa militar do mundo  -umha proporçom duas ou mais vezes [maior] do que a sua participaçom no produto mundial.

O objectivo da nova grande estratégia imperial dos EUA é utilizar esta fortaleza militar sem precedentes a fim de impedir a emergência de forças históricas através da criaçom de uma esfera de domínio de espectro amplo, agora abarcando todos os continentes, de modo a que nengum rival potencial seja capaz de desafiar os Estados Unidos nas próximas décadas. Isto é umha guerra contra os povos da periferia do mundo capitalista e pola expansom do capitalismo mundial, particularmente do capitalismo americano. Mas é também umha guerra para assegurar um "Novo Século Americano" no qual os países do terceiro mundo som vistos como "activos estratégicos" dentro de umha luita geopolítica global mais ampla.

As liçons da história som claras: tentativas de ganhar o domínio do mundo por meios militares, embora inevitáveis sob o capitalismo, estam destinadas a fracassar e só podem conduzir a novas e maiores guerras. É da responsabilidade daqueles comprometidos com a paz mundial resistir à nova grande estratégia imperial dos EUA pondo em causa o imperialismo e a sua principal raiz económica, o próprio capitalismo.

 

Notas
1- Os pontos de vista de Haass som explorados por John Bellamy Foster em “'Imperial America' and War,” Monthly Review 55, no. 1 (May 2003): 1–10; Project for the New American Century, Rebuilding America's Defenses (September 2000),
http://www.newamericancentury.org/ .
2- Stephen Peter Rosen, "The Future of War and the American Military," Harvard Magazine 104, no. 5 (May–June 2002): 29–31.
3- John Lewis Gaddis, "A Grand Strategy of Transformation", Foreign Policy (November/December 2002): 50–57.
4- Clausewitz citado em Paul Kennedy, ed., Grand Strategies in War and Peace (New Haven: Yale University Press, 1991), 1.
5- Edwin R. Earle, ed., Makers of Modern Strategy (Princeton: Princeton University Press, 1948); B. H. Liddel Hart, Strategy (New York: Praeger, 1967); Kennedy, ed., Grand Strategies, 1–4.
6- James J. Hentz, ed., The Obligation of Empire:
United States' Grand Strategy for a New Century (Lexington, Kentucky: University of Kentucky Press, 2004).
7- Ivo H. Daalder & James M. Lindsay,
America Unbound (Hoboken, New Jersey: John Wiley and Sons, 2005), 4–5, 40–41, 194.
8- V. I. Lenin, Imperialism, the Highest Stage of Capitalism (New York: International Publishers, 1939), 119.
9- Richard B. Du Boff, "U.S Empire," Monthly Review 55, no. 7 (December 2003): 1–2; Dominic Wilson & Roopa Purshothaman, "Dreaming with BRICs," Goldman Sachs Global Economics Paper, no. 99 (October 1, 2003), 4,
http://www.gs.com/
10- Robert J. Art, A Grand Strategy for
America (Ithaca: Cornell University Press, 2003), 1–11.
11- Noam Chomsky, Failed States (
New York: Metropolitan Books, 2006), 254–55; Lutz Kleveman, The New Great Game (New York: Grove Press, 2004).
12- Ver Pierre Abramovici, "
United States: The New Scramble for Africa," Le Monde Diplomatique (Engish edition), July 2004; "Revealed: The New Scramble for Africa," The Guardian, June 1, 2005.
13- Fred Kempe, "
Africa Emerges as a Strategic Battlefield," Wall Street Journal, April 25, 2006.
14- Council on Foreign Relations, More Than Humanitarianism: A Strategic U.S. Approach Toward Africa, 2006, xiii.
15- Council on Foreign Relations, More Than Humanitarianism, 59.
16- Center for Strategic and International Studies, A Strategic U.S. Approach to Governance and Security in the Gulf of Guinea, July 2005, 3.
17- Council on Foreign Relations, More Than Humanitarianism, 24, 133; Jeffrey Taylor, "Worse Than
Iraq?," Atlantic, April 2006, 33–34.
18- Council on Foreign Relations, More Than Humanitarianism, 40.
19- Council on Foreign Relations, More Than Humanitarianism, 52–53, 131.
20- Zbigniew Brzezinski, The Grand Chessboard (New York: Basic Books, 1997), 3.
21-
Anthony Lake, "From Containment to Enlargement," discurso na School of Advanced International Studies, Johns Hopkins University, September 21, 2003, http://www.mtholyoke.ed/ .



 

 


Voltar à página principal