Bush reconhece finalmente existência de centros de detençom ilegal espalhados polo mundo

7 de Setembro de 2006

O presidente ianque e representante da extrema-direita económica desse país, George W. Bush, véu a reconhecer finalmente o que numerosas organizaçons nom governamentais denunciam desde há meses: a existência de prisons ocultas e livres de controlos legais para a detençom de aqueles que acusa de "terroristas".

Foi no passado ano que o jornal The Washington Post difundiu informaçons relativas a detençons extra-judiciais e transporte de detidos em avions secretos por parte da CIA através dos territórios de diversos estados "sócios" do imperialismo ianque, incluído o espanhol, inclusive depois de Aznar ter abandonado o poder.

A Casa Branca negou-se a reconhecer essas práticas, que incluem seqüestros, torturas e todo o tipo de abusos contra pessoas das mais diversas nacionalidades, arbitrariamente acusadas de "terrorismo". Agora foi o próprio Bush que, num discurso público pronunciado na Casa Branca, reconheceu que há "um pequeno número" de detidos em instalaçons secretas e ocultas, espalhadas polo mundo, fora de qualquer controlo judicial.

72.000 vítimas mortais da actual ofensiva "antiterrorista" ianque

Por outra parte, acaba-se de saber que durante os últimos cinco anos, desde que o presidente norte-americano declarou a guerra contra "o terrorismo", a acçom militar e terrorista ianque contra diversos povos fijo já 72.000 vítimas mortais, segundo dados do Memorial Institut for the Prevention of Terrorism, organismo oficial estado-unidense.

Do número total de vítimas mortais da estratégia de rapina energética e controlo geoestratégico ianque no mundo, 40.000 morrêrom vítimas directas da ocupaçom militar do Iraque, enquanto outras 32.000 fôrom assassinadas em campanhas diversas dos EUA contra o que chamam "terrorismo", em diversos países, principalmente o Afeganistám, mas nom só. A grande maioria dessas mortes corresponde a populaçom civil sem qualquer ligaçom com as organizaçons perseguidas polo imperialismo ianque.

 

Voltar à página principal

 

 

George W. Bush, perigoso criminal inimigo da humanidade