Cuba fala claro ao imperialismo europeu

14 de Maio de 2006

O Governo revolucionário cubano enviou o seu vice-presidente, Carlos Lage, junto ao ministro dos Negócios Estrangeiros, Pérez Roque, à cita da Cimeira de Viena, que reuniu chefes de Estado e de Governo da América Latina e a Uniom Europeia.

Longe da linguagem diplomática e politicamente correcta, o dirigente cubano denunciou directamente os compromissos do imperialismo europeu como assistente do norte-americano. "Cuba nom pode levar a sério as sançons da UE", afirmou Lage, umha vez que responde a dupla moral de quem nom passa de um servilismo vulgar perante o gigante estado-unidense, carente de qualquer independência política no que toca às relaçons com a ilha das Caraíbas.

Como exemplo incontestável, citou o facto de os EUA serem o principal violador de direitos humanos no planeta, o que nom fijo à Uniom Europeia impor-lhes qualquer sançom, ao contrário do que fam com a Cuba revolucionária desde 5 de Junho de 2003.

Sem papas na língua, a representaçom cubana em Viena lembrou a permissividade, quando nom cumplicidade, da UE em casos como a agressom imperialista e ilegal contra o Iraque, ou com a política da CIA em relaçom aos prisioneiros de guerra transportados ilegalmente de aeroporto em aeroporto europeu em direcçom a prisons secretas onde som torturados e desaparecidos.

Carlos Lage afirmou abertamente que a UE nom é ninguém para pedir a Cuba quaisquer reformas de nada, recomendando aos 25 que deixem de perder o tempo com as imposiçons unilaterais contra Cuba, que nunca aceitará declaraçons ameaçantes dos líderes europeus. Tampouco haverá "gestos" cubanos para favorecer nengumha mudança da Uniom Europeia: "temos demasiada moral para tal, e muito respeito aos nossos principios", garantiu.

A representaçom diplomática cubana confirmou que continuará a assistir às cimeiras e encontros internacionais "para lhes dar conteúdo e exprimir as ideias do nosso Governo", considerando umha vitória a condena que afinal se fijo em Viena contra o bloqueio da ilha e da Lei Helms-Burton, e agradecendo o apoio dos povos da América Latina e as Caraíbas à causa cubana.

Do interior da UE, como galeg@s conscientes e também solidári@s com a causa revolucionária cubana, nom podemos deixar de dar os parabéns ao seu Governo pola digna posiçom mantida nos últimos dias na Cimeira de Viena.

 

:: Algumhas das informaçons publicadas no nosso portal sobre Cuba em 2003 (ano da imposiçom das sançons da UE)

Fidel denuncia lucros da UE na sua troca desigual com Cuba (+...)

Manifestaçom de solidariedade Galiza-Cuba (+...)

Os intelectuais, Cuba e os Direitos Humanos (+...)

Uniom Europeia prepara agressom contra Cuba (+...)

Cuba fechará o "Centro Cultural de Espanha" para transformá-lo no "Centro de Cultura Federico García Lorca" (+...)

Cuba acusa o Estado espanhol de financiar os mercenários que actuam na ilha (+...)

Os EUA pressionam os governos latino-americanos contra Cuba (+...)

Carta de umha mae cubana ao mundo (+...)

Deixade a Cuba em paz (+...)

Cuba e o nazi-fascismo (+...)

 

 

Voltar à página principal

 

 

Carlos Lage, vice-presidente do Governo cubano