Capitalismo mata 100.000 pessoas de fame por dia, segundo dados da ONU

22 de Junho de 2006

Som dados do relator da ONU para o Direito à Alimentaçom, o suíço Jean Ziegler. Apesar de existir possibilidades reais de alimentar até 12 bilions de seres humanos (dobro da populaçom mundial actual), 100.000 pessoas morrem cada dia no Planeta por falta de alimentos, no que constitui umha prova inapelável da injustiça e desiguladades que caracterizam o capitalismo como sistema mundializado.

Os dados fôrom feitos públicos por Ziegler durante o II Fórum Mundial das Migraçons, que reúne 3.600 pessoas de 86 países até sábado na localidade espanhola de Rivas Vaciamadrid, perto de Madrid. O relator da ONU denunciou ainda que a cada sete segundos umha criança menor de 10 anos morre por problemas ligados à desnutriçom, e que a cada quatro minutos umha criança fica cega por falta de vitamina A.

"A ordem mundial económica e capitalista nom é só assassina, mas absurda, porque mata sem necessidade. Há riquezas para alimentar 12 bilions de pessoas, o dobro da humanidade", dixo, acrescentando que a situaçom geral da fame é "especialmente dramática em África, um continente onde 36% da populaçom é subnutrida; 186 milhons de africanos sofrem de fame grave e, em vinte anos, o número de famintos passou de 91 para 186 milhons".

Ziegler acrescentou que o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional e a Organizaçom Mundial do Comércio som "organizaçons mercenárias das grandes oligarquias e do capital financeiro", que "anulam os progressos" obtidos polas 22 agências humanitárias e de desenvolvimento da ONU, e criticou a política de subvençons agrícolas da Uniom Europeia.

Segundo Ziegler, o Fórum das Migraçons — iniciativa que segue a linha do Fórum Mundial Social do Porto Alegre e é concentrada na reflexom sobre efeitos e soluçons para o desafio dos fluxos migratórios —, é umha oportunidade para informar e mobilizar a opiniom pública sobre as desigualdades e combater esse "absurdo".

 

 

Voltar à página principal