Fogos destróem rural galego e BNG reconhece que mantém estratégia do PP

7 de Agosto de 2006

Mais umha Verao, a Galiza está a arder de maneira intensa por quase todo o território, mas com especial destaque para as comarcas costeiras da metade sul do País, sem que os meios activados polas diversas administraçons, nomeadamente a Junta da Galiza, sirvam para deter um desastre anunciado cada ano, que desta vez já custou três vidas nos últimos dias.

Na altura em que esta informaçom é redigida, som quase cem os fogos activos, dos quais quase metade sem controlo. A destruiçom do sector primário da nossa economia, verificada de maneira bem visível nas últimas décadas, junto a interesses imobiliários e madeireiros, som os principais motivos, sem esquecer outros como a procura de novos pastos que também deixam em evidência a falta de um planeamento construtivo na política aplicada .

Jorquera reconhece continuísmo das políticas da nova Junta

Frente a um problema já velho e no qual o PP demonstrou a sua incompetência durante anos, o representante do BNG Francisco Jorquera saiu hoje mesmo para declarar perante as cámaras da TVG que o actual Governo autonómico "mantém exactamente a mesma estratégia do Governo anterior", só com alguns "ajustamentos" quanto a meios disponibilizados.

Tam grave reconhecimento da própria incapacidade ou desinteresse para mudar as cousas obriga a exigir responsabilidades a um Governo que, ao mesmo tempo, afirma que existem redes de delinqüência organizada por trás dos numerosos fogos que se sucedem durante cada Verao. Porque nom explicam que tipo de redes delictivas? e, sobretodo, porque nom se atacam esses interesses e nom se limitam unicamente a deter os elementos que executam ordens chegadas d@s verdadeir@s queima-montes?

Estas som as conseqüências da destruiçom do nosso sector primário

A realidade mostra claramente que de nada serve continuar a investir dinheiro exclusivamente em meios para a extinçom de incêndios, nem apelar ao envolvimento das forças armadas espanholas nos labores de extinçom.

A política de destruiçom da economia agrária galega, o abandono do meio rural, um monte carente de qualquer limpeza e cuidado ao longo de todo o ano, converte-se numha bomba-relógio à espera de ser activada em funçom dos interesses de especuladores, quer urbanísticos, quer madeireiros, além de outras circunstancias menores decorrentes, sem que seja possível fazer frente ao problema só com medidas paliativas e a posteriori.

A prevençom com maiúsculas é a posta em valor dos nossos montes, o cuidado e a rentabilizaçom de um meio esquecido polos planos neoliberais dos diversos governos espanhóis e autonómicos, além da própria UE, que ano após ano continuam a manter as mesmas políticas fracassadas, como acaba de reconhecer o próprio BNG.

 

 

Voltar à página principal

 

 

O senador do BNG Francisco Jorquera durante a conferência de imprensa em que reconheceu que a actual Junta "mantém exactamente a mesma estratégia do Governo anterior"