O "sindicalismo moderno" na greve do metal

5 de Maio de 2006

Apresentamos o artigo de opiniom escrito polo secretário geral do nosso partido, Carlos Morais, em relaçom à luita que nestes dias se desenvolve nas ruas e as fábricas do sul da Galiza, com especial destaque para o proletariado viguês do metal. O texto, publicado hoje mesmo em Vieiros, enquadra em termos políticos a trascendência destas jornadas na superaçom das tendências derrotistas impostas polas dirigências sindicais vendidas nas últimas décadas na Galiza.

 

O "sindicalismo moderno" na greve do metal

Carlos Morais

As declaraçons do presidente da Confederaçom de Empresários de Ponte Vedra, José Manuel Fernandes Alvarinho, sobre a incompatibilidade dos métodos de luita empregados polo proletariado do metal com aquilo que deve ser o "sindicalismo moderno", a respeito da exemplar greve que se está a realizar no sul da Galiza, responde a umha evidente lógica política. É umha chamada de atençom, umha lembrança dos pactos reformistas, que deve ser analisada como conseqüência das contínuas cedências e claudicaçons ante o patronato e a burguesia realizadas pola imensa maioria dos aparelhos sindicais desde a Transiçom. As manifestaçons de Alvarinho pretendem pressionar as máfias sindicais de CC.OO-UGT para que controlem a combatividade e reconduzam a mobilizaçom e luita obreira dentro das estreitas margens acordadas nos Pactos da Moncloa de 1978.

Os acordos que maquilhárom o franquismo no actual regime de democracia burguesa espanhola supugérom, entre muitas outras cousas, a cooptaçom das direcçons sindicais espanholas por parte do Estado. O entreguismo que levou à desmobilizaçom e derrota da classe obreira como sujeito central da luita reportou imensos benefícios e privilégios à casta burocrática sindical que viu multiplicar as suas regalias, acedendo às migalhas cedidas pola burguesia polos seus inegáveis serviços à hora de contribuir para esterilizar a luita de classes.

Deste jeito, a maioria do sindicalismo formado nas luitas da década de setenta passou de ser umha ferramenta de defesa dos interesses d@s trabalhadores/as, por melhores condiçons salariais e de trabalho, de mútuo apoio e solidariedade de classe, de combate contra a exploraçom do capital e luita polo Socialismo, a ser simples empresas subsidiadas polo Estado burguês para refrear a luita e contribuir para facilitar a recuperaçom por parte da burguesia as conquistas atingidas em décadas de luita obreira. A resignaçom, a moderaçom e o pactismo fôrom impondo-se na lógica do exemplar "sindicalismo moderno" que Alvarinho reclama perante a exemplo do metal.

O maciço seguimento desta greve, as multitudinárias manifestaçons, a combatividade dos piquetes, a activa participaçom da juventude na luita, é natural conseqüência das duras condiçons de trabalho que paulatinamente se fôrom instalando no sector, à medida que se aplicárom as selvagens receitas do neoliberalismo. As elevadíssimas taxas de precariedade laboral, as dramáticas cifras de sinistralidade, os baixos salários e simultáneo incremento do horário, a perda constante de poder aquisitivo, e a negativa dum arrebatado patronato a aceitar as mais do que razoáveis reivindicaçons sindicais na hora de negociar a renovaçom do convénio colectivo, nesta ocasiom nom cristalizárom num novo retrocesso e derrota, ao nom se traduzir no habitual "acordo" à baixa entre as corruptas cúpulas do sindicalismo amarelo e os empresários. A importante presença da CIG entre o proletariado do metal e a tradiçom organizativa e combativa do sector está a ser determinante na orientaçom da luita.

Umha boa parte das reivindicaçons da greve do metal que hoje cumpre o seu terceiro dia som similares às que em Setembro de 1972 paralisou Vigo, incorporou milhares de jovens à luita sindical e política contra o fascismo e a exploraçom capitalista, provocando a ruptura com as práticas conciliadoras e entreguistas do carrilhismo, contribuindo para gerar a recomposiçom do sindicalismo nacional e de classe, madurecendo e acelerando a evoluçom face a esquerda e a introduçom no movimento obreiro do que até o momento nom deixava de ser o nacionalismo galego, um movimento culturalista pequeno-burguês.

Hoje, tal como há 33 anos, o capitalismo e todas aqueles segmentos sociais objectivamente interessados em manterem a ordem vigente, vem com preocupaçom umha luita que engloba mais de vinte mil obreir@s, envolvendo quase 2.000 empresas, e que pode derivar numha greve total no sector metalúrgico do sul do País, -alargando-se ao sector do automóvel e empresas do naval com convénios próprios-, até atingir os 37.000 trabalhadores/as, e que mesmo pode provocar convocatória de greve geral na "província" de Ponte Vedra.

O resultado desta luita pode marcar o início da imprescindível recuperaçom da ofensiva de classe contra os planos do Capital, cuja imediata nova agressom global é a reforma laboral pactuada entre o PSOE, a CEOE, CCOO e UGT, que será apresentada na vindoura semana, e que facilitará o despedimento, potencializará as ETT¨s e concederá ainda mais isençons fiscais à burguesia. O capitalismo neoliberal pretende com esta nova reforma avançar no objectivo estratégico de impor o despedimento livre e a total desregulamentaçom do mercado laboral. Tracejar e impor com a sua esmagadora maioria institucional os mais vorazes planos contra o mundo do Trabalho. Os objectivos do Capital som ferozes e brutais. Pretende aplicar, empregando a violência da legalidade vigente, umha reestruturaçom total das relaçons laborais, dinamitando os anémicos compromissos e acordos da Transiçom. Para esta tarefa, conta com a cumplicidade e o inestimável apoio de Cándido Méndez e Fidalgo, os capos da máfia sindical, a cobertura do PSOE e do PP, e o desinteresse da imensa maioria das forças políticas denominadas de esquerda do nosso país e do Estado, atrapalhadas no debate nominalista desta segunda reestruturaçom territorial da Espanha imposta por Franco, que nega o direito de autodeterminaçom.

O carácter maioritário, unitário e combativo que vem caracterizando a greve do metal som três eixos básicos para o sucesso desta luita. Porém, o que está em jogo vai muito mais alá do incremento salarial ou da flexibilidade horária. O sindicalismo de classe e combativo nom só deve conformar-se com derrotar a patronal até atingir a totalidade das reivindicaçons. Polo carácter estratégico do sector na específica morfologia industrial galega, pola natureza e antagonismo da composiçom eminentemente proletária d@s grevistas, pola quantidade e dimensom de operári@s envolvid@s, pola destacada presença de proletariado jovem, a greve do metal do sul da Galiza nom deve reduzir-se a mostrar o impressionante potencial e fortaleza da classe obreira unida, que a luita é o único caminho a seguir.

A específica conjuntura sociopolítica galega sobre a qual age esta luita também constata as enormes fraquezas da classe obreira, ao carecer de organizaçons políticas e sociais revolucionárias com dimensom de massas, única garantia de resistir e parar a voracidade da burguesia, e avançar na recuperaçom das conquistas arrebatadas.

Perante a plena integraçom da direcçom do nacionalismo galego na lógica neoliberal e autonomista da Espanha de Zapatero, a classe obreira galega necessita abandonar o delegacionismo, involucrar-se activamente na urgente reestruturaçom da esquerda nacional, avançar na construçom de espaços amplos e plurais de luita obreira e popular para construir a Galiza a partir da esquerda. Única garantia de assegurar um futuro digno e de superar os trinta anos de derrotas.

O "sindicalismo moderno" que reivindica Alvarinho, as condenas dos actos "vandálicos" do secretário comarcal de CC.OO de Vigo, José Cameselhe, os apelos à "responsabilidade" e criminalizaçom da luita por parte de Delfim Fernandes, o chefe das forças policias no sul da Galiza, e a reclamaçom de repressom policial dura por parte da presidenta da Cámara Municipal de Vigo, Corina Porro, situam cada quem no seu papel. A jovem classe obreira incorporada a esta luita tem que evitar cair nos erros do passado, e os sectores mais veteranos devem livrar-se de voltar a reproduzir esquemas fracassados e transmitir à mocidade proletária a rica experiência de 72, ou a mais recente de 83-89, contra a reconversom industrial do PSOE.

 

:: Mais informaçons sobre o mesmo tema

Greve do metal estende-se, nível de luita aumenta (+...)

Sector do metal vai à greve no Sul da Galiza (+...)

 

Voltar à página principal

 

 

Imagem da actual luita operária em Vigo. Milhares de obreir@s som ameaçados polas forças de choque da polícia espanhola