O Murdoch da Venezuela

2 de Julho de 2006

Publicamos um artigo de Richard Gott sobre a figura de Gustavo Cisneros, um dos oligarcas venezuelanos mais ricos da América Latina. O original encontra-se no nº 39, Maio-Junho/2006, da revista New Left Review.

O Murdoch da Venezuela

Com umha fortuna de mais de US$ 4 mil milhons, Gustavo Cisneros gosta de promover-se como o home mais rico da América Latina e o mais poderoso barom dos media do continente, um equivalente latino a Murdoch ou a Berlusconi. Desde 1961 a Organización Cisneros possui a Venevisión, o principal canal comercial de TV da Venezuela -mais conhecida no estrangeiro pela sua raivosa oposiçom a Chávez durante o golpe de 2002 e pola denúncia incessante dos seus apoiantes como "arruaceiros" e "macacos". A partir dos anos 80 ele estendeu seu império pola América Latina incluindo a Chilevisión do Chile e a TV Caracol da Colômbia, com uma grande participaçom na DirectTV latino-americana, cujo satélite emite uma dieta de desportos, shows de jogos, telenovelas e notícias pré-digeridas para 20 países latino-americanos. Ele também tem uma participaçom lucrativa na Univisión, o principal canal em língua espanhola dos Estados Unidos, e uma empresa conjunta latino-americana de conexom internet com a AOL-TimeWarner.

Tal como muitos latino-americanos ricos, Cisneros é um camaleom no que se refere à nacionalidade. Nominalmente venezuelano -nasceu em Caracas em 1945, de um pai empresário cubano e de uma mae venezuelana- foi educado e fijo sua aprendizagem de media nos EUA. Mas também é cidadao da Espanha, a pedido pessoal do rei Juan Carlos, americano em Nova York, cubano em Miami e dominicano na República Dominicana, onde a sua principal base -a Casa Bonita, próxima à estância balnear de La Ramona- está no lugar dos refúgios de outros bilionários de origem cubana, enriquecidos com os lucros do açúcar, do rum e dos negócios imobiliários. O estilo de vida cosmopolita de Cisneros permite-lhe escapar aos horizontes limitados de um país latino-americano que tradicionalmente joga na segunda divisom. Um venezuelano, de acordo com uma antiga e desrespeitosa piada latino-americana, é um panamenho que pensa que é argentino. Tal como muitos latino-americanos ricos, Cisneros sempre considerou o seu próprio país demasiado pequeno para os seus talentos e demasiado inseguro para a sua fortuna acumulada. Como umha das figuras sombrias que proporcionam ao capitalismo americano força local fora dos Estados Unidos, ele é umha ilustraçom notável da razom porque nom há burguesia nacional na Venezuela. Cisneros está atado de pés e maos ao império, e tem sido graciosamente pago.

Sem esquecer a auto-promoçom, Cisneros agora pode apregoar umha reluzente biografia escrita por Pablo Bachelet, repleta com umha introduçom panegírica do novelista liberal mexicano Carlos Fuentes. Os motivos de Bachelet neste projecto -ele é um meio-chileno, jornalista financeiro com base em Washington, ex-Dow Jones, actualmente Reuters- dificilmente podem ficar em dúvida. Bachelet tivo acesso privilegiado à família Cisneros, e a maior parte do seu relato -umha leitura nom exigente- é retirada literalmente das visons de Gustavo acerca de si próprio, que presumivelmente também forneceu as fotografias sorridentes do 'global empresario' com o Papa, Dalai Lama, Kissinger, Deng Xiaoping, Walesa, Mandela, Thatcher, Netanyahu, Agnelli e, naturalmente, os presidentes Carter, Reagan, Bush, Clinton e Bush. Por que Fuentes, outrora um pilar da literatura progressista na América Latina e um antigo apoiante da Revoluçom Cubana, preferiu conectar o seu vagom a umha figura como Cisneros, quando viras-casacas literários no mundo anglófono ou europeu esquivariam-se a desempenhar semelhante papel para Murdoch ou Berlusconi, pode ser explicado apenas no contexto latino-americano.

Gustavo foi o quarto filho de Diego Cisneros, entom um importante empresário em Caracas. Após a morte do seu pai cubano, o jovem Diego foi com a sua mae venezuelana para Trinidad, e foi educado como um escolar naquele domínio britânico. Mudou-se para Caracas quando jovem e a seguir, com considerável encanto e inglês fluente, tornou-se vendedor de firmas americanas de automóveis, vendendo Chryslers e Studebakers num florescente mercado venezuelano nos anos 30, enquanto administrava um serviço de auto-carros para Catia, um subúrbio de trabalhadores no topo de um outeiro de Caracas, com uma frota de camions convertidos. As fortunas dos Cisneros decolaram no princípio da Segunda Guerra Mundial quando a família adquiriu o direito de engarrafar e distribuir a Pepsi Cola. Segundo uma lenda local (Bachelet nom menciona o episódio), homens de Diego empurraram camions da Coca Cola num despenhadeiro, privando assim o seu rival das suas inimitáveis garrafas com saias rodadas, impossíveis de obter até que fosse declarada a paz. A Pepsi moveu-se suavemente para o Número Um e -caso único na América Latina- permaneceu nesta posiçom na Venezuela nos anos seguintes. Como relata Bachelet de forma aprovadora, o pai de Cisneros logo pôs sob o seu controlo todos os produtos envolvidos na produçom da Pepsi: vidro, garrafas, tampas, açúcar, ácido carbónico, grades e empacotamento. Posteriormente a companhia começou a operar em outros países da América Latina, primeiro na Colômbia e a seguir no Brasil. Na década de 1950 Diego moveu-se para o rádio e para a embriónica indústria da televisom, e em 1961 fundou um novo canal, a Venevisión, convertendo-se na preocupaçom especial de Gustavo.

A companhia Cisneros das décadas de 1950 e 1960 estava centralmente colocada para actuar como uma batedora do capital americano. Como tal, tornou-se parte de uma nova elite na Venezuela que floresceu através da distribuiçom liberal por meio do estado (mais propriamente, por meio dos partidos políticos) dos rendimentos crescentes do petróleo. A oligarquia agrária diminuía de riqueza e poder desde os princípios do século XX, pois a agricultura principiava um declínio acentuado. Com a expansom da urbanizaçom e do emprego no sector público, os lucros privados no período do pós-guerra estavam ligados ao crescente comércio em bens -sobretodo americanos- importados. O projecto dos Cisneros, como aqueles de outros empresários de famílias colonizadoras brancas em muitos países latino-americanas, era levar os confortos da nossa civilizaçom - alimentos, cultura, formas de descanso, produtos de beleza- às camadas médias em crescimento na América Latina.

Diego Cisneros era um bom amigo de Rómulo Betancourt, líder fundador de Acción Democrática, que o ajudou a lançar a Venevisión. A família manteria contacto estreito com os líderes seguintes da Acción Democrática quando eles se revezavam com os do Copei, o outro principal partido burguês, nas rotaçons Tweedledum-Tweedledee que constituíram a democracia venezuelana durante as quatro décadas pós 1958, e em particular com o notoriamente corrupto Carlos Andrés Pérez, presidente tanto nos anos de boom dos meados de 70 e nos de crise dos de 90, quando foi expulso do gabinete por apropriaçom indébita de fundos. Outro aliado vital era o poderoso banqueiro da Acción Democrática, Pedro Tinoco, conselheiro da família Cisneros nos seus negócios com companhias americanas. Tinoco actuaria como ministro das Finanças da Venezuela de 1969 a 1972, e como presidente do Banco Central no governo Pérez de 1989 a 1992. Ele morreu pouco antes da queda do Banco Latino, do qual fora presidente, desencadeada pela crise financeira venezuelana de 1994.

Com 25 anos, em 1970, assumiu os negócios da família quando seu pai ficou incapacitado por um derrame cerebral. Ele tinha-se diplomado no Babson College em 1968, e a seguir passou dous anos a trabalhar na ABC Television em Detroit, Chicago, Los Angeles e Nova York. Em 1970, numha 'cerimónia simples' na Catedral de St. Patrick, em Manhattan, fez um feliz casamento dinástico com Patty Phelps, cujo pai americano tinha-se, tal como Diego Cisneros, estabelecido em Caracas como vendedor da Ford Motors, máquinas de costura Singer e máquinas de escrever Underwood. Os Phelps eram também os proprietários da Rádio Caracas, cujo ramo de TV, a RCTV, era o principal competidor da Venevisión.

Durante a década de 1970 a Venezuela foi inundada de petro-dólares. As conexons políticas nom podiam garantir suficientemente o ambicioso lance de Cisneros por uma série de fábricas petroquímicas, a serem financiadas parcialmente pelo estado. Bachelet, tristemente, relata que nom foi suficiente ter convencido o presidente: apesar do apoio de Carlos Andrés Pérez, o projecto Pentacom de Cisneros foi bloqueado por umha forte oposiçom de deputados -cujos nomes nom foram mencionados no opaco relato de Bachelet- os quais sentiram que isto entregaria umha indústria venezuelana estratégica a companhias transnacionais. Mas casualmente, em 1976, o império dos supermercados latino-americanos da família Rockfeller foi rompido sob as regras do Pacto Andino. Com a ajuda de Tinoco, a família de Cisneros comprou rapidamente o ramo venezuelano, adquirindo 48 supermercados e uma dúzia de bares de soda de um só golpe. Eles agora era capazes de integrar os vários interesses Cisneros, utilizando um para promover o outro. Produtos disponíveis nos seus supermercados Cada eram logo anunciados na Venevisión, nessa altura o principal canal de TV do país. Estrelas das telenovelas da Venevisión eram mobilizada para beber o champanhe franchisado de Cisneros e usar o shampoo de Cisneros. Bem antes de os bares de soda adquiridos a Rockfeller foram rebatizadas como Burger King, os franchisados Taco Bell e Pizza Hut também foram adquiridos e promovidos na TV, seguidos pela cadeia local da loja de departamentos Sears, Roebuck, depois redenominada Maxys.

Sempre moderna e americana, a família Cisneros foi umha das primeiras promotoras da pornografia suave, adquirindo a 'Organização Miss Venezuela' que cuidava das modelos aspirantes a competiçons nacionais e internacionais. As mulheres escassamente vestidas, todas estranhamente brancas num país de índios e negros, nom só apareciam regularmente na Maxys e na Venevisión como também eram veículo para promover os bens dos Cisneros disponíveis nos supermercados Cisneros. Como se jactaria Carlos, sobrinho de Cisneros, ao comprar os direitos da Playboy TV: "Nós entendemos que [a Playboy] era o único grande tesouro que nom fora levado dos Estados Unidos para a América Latina, porque toda a gente assumir que este era um continente muito católico".

Os maciços rendimentos do petróleo da década de 1970 tinham sustentado uma vasta rede de patrocínios para os dominadores da Venezuela, bem como uma disseminaçom de projectos infraestruturais de fachada. Quando os preços do petróleo começaram a cair, o governo Pérez e depois o Herrera procurou manter a diarquia AD-Copei através de tomadas de empréstimos acrescidas. A dívida externa do país subiu dramaticamente de forma vertiginosa após os aumento das taxas de juro americanas em 1979, atingindo US$ 31 mil milhões em 1982 -quase o dobro do número de 1978. A economia contraiu-se agudamente, a inflaçom ascendeu e a fuga de capitais acelerou-se, criando pressons que o bolívar super-valorizado nom podia aguentar. Os resultados fôrom os controles de câmbio e a desvalorizaçom de 1983, que Bachelet discute apenas em termos do impacto -'um golpe duro'- sobre as elites, cuja cupidez ajudara a provocar isto. Segundo Julia Buxton no seu ensaio "Economic Policy and the Rise of Chávez", os novos controles revelaram que 'clientes' favorecidos dos partidos governantes tinham chuchado uns US$ 11 mil milhons em reservas de divisas estrangeiras para financiar seus dólares baratos. Durante os seis anos em que houve controles de câmbio os salários reais caíram 20 por cento, os gastos públicos entraram em colapso, o desemprego aumentou para dous dígitos e a inflaçom atingiu 40 por cento. Em 1978 apenas 10 por cento d@s venezuelan@s viviam na pobreza; em 1998 o número era de 39 por cento.

A resposta de Cisneros foi, naturalmente, a fuga de capital. Citando com energia o lema de Cisneros: "As maiores e melhores oportunidades vêm das crises", Bachelet pormenoriza os investimentos Cisneros fora do país. Em 1984 comprou a Spalding, a cadeia gigante de desportos, e a seguir as Galerías Preciados em Madrid, outra loja importante. O desenlace foi desastroso: o urbanizador imobiliário britânico a quem Cisneros tinha esperança de ligar ao negócio afundou no crash da Wall Street de 1987, e em vez de dinheiro Cisneros recebeu um ponto prestigioso próximo à Catedral de S. Paulo, em Londres, sobre o qual as atençons do Príncipe de Gales já estavam fixadas. Cisneros, obsequiosamente ansioso por agradar o príncipe mas ainda mais ansioso pelo dinheiro que a re-urbanizaçom produziria, apresentou a Charles os planos para o local desenhados por Arup, na residência ultra-modernista do Embaixador Britânico em Caracas. O príncipe criticou duramente o esquema de Arup, exigindo edifícios mais baixos e menos lojas, e Cisneros foi forçado a abandonar o projecto.

Em 1988 os salários reais tinham caído 40 por cento, e o custo do serviço da dívida tinha ascendido a US$ 5 mil milhons por ano. Em Dezembro daquele ano Carlos Andrés Pérez foi reeleito presidente após uma campanha concebida para evocar os anos do boom com gastos desenfreados do seu mandato na década de 1970. Contodo, umha vez empossado, Pérez comutou o rumo, comprometeu-se com um Programa de Ajustamento Estrutural ditado polo FMI e implementou uma rajada de medidas neoliberais, cortando subsídios a serviços públicos e liquidando com controles de preços. Um ano depois a economia contraíra-se 8 por cento. A pobreza geral ascendeu dos 44 por cento de 1988 para 67 por cento em 1989, e a pobreza extrema de 14 para 30 por cento no mesmo período. Quando as tarifas de auto-carros dispararam a fim de reflectir o custo crescente do combustível, em Fevereiro de 1989, Caracas explodiu numha festa de saques e tumultos. Quatro dos supermercados de Cisneros foram saqueados. O levantamento, conhecido como Caracazo, acabou por ser esmagado pelo exército, com mais de um milhar de pessoas mortas.

Defendendo o "sóbrio pacote de medidas" de Pérez, Bachelet admite que "a Venezuela nom fora preparada durante a campanha eleitoral para confrontar-se com a verdade". Mas a sua principal preocupaçom é a fortuna do seu herói. O Caracazo foi um ponto de viragem para Cisneros. Aquilo fijo-o entender que a sua riqueza já nom estava segura em Caracas. O seu simples e lucrativo papel como o criado do capitalismo americano estava sob séria ameaça. O próprio estado venezuelano estava a entrar em colapso, suas traves apodreciam por dentro. Ele decidiu que teria de mudar o grosso da fortuna da família para fora do país. Como a terapia de choque continuava, a economia contraía-se novamente e as taxas de pobreza continuavam a piorar. Em Fevereiro de 1992 o entom Coronel Chávez lançou um golpe de estado sem êxito destinado a travar a força destruidora neoliberal que Pérez pugera em movimento. Cisneros colocou a Venevisión à disposiçom de Pérez, e a transmissom do presidente no dia do golpe salvou a sua vida política. Mas era tamanha a impopularidade de Pérez que aquilo desgastou a estaçom de TV. Os números de audiência afundaram dramaticamente, com uma consequente perda de rendimento publicitário, e a estaçmo só recuperou a posiçom dominante quando difundiu a Copa do Mundo de futebol dos Estados Unidos em 1994.

Na primavera de 1993 o governo Pérez entrou em colapso em meio a acusaçons de que se tinha apropriado indevidamente de 250 milhons de bolívares (US$ 2,8 milhons) de fundos governamentais -um episódio que Bachelet omite discretamente, preferindo retorcer as maos sobre o ataque de instabilidade na democracia da Venezuela. Eleiçons recentes tinham decorrido em Dezembro, na qual a Acción Democrática foi derrotada; Cisneros perdera seu aliado no Palácio de Miraflores. Entom, em Janeiro de 1994, o principal banco do país, o Banco Latino, caiu em concordata, ameaçando as poupanças das camadas médias. A família Cisneros estava pesadamente implicada da derrocada: seu amigo Tinoco fora presidente do banco, e tinha convidado o irmao de Gustavo, Ricardo, para o seu conselho de administraçom. O turbilhom de acusaçons contra o seu irmao levou Cisneros a efectuar uma apariçom pública na Venevisión, denunciando a campanha contra a sua família e o sofrimento que isto lhe provocara. Apesar de Bachelet deslizar rapidamente sobre o escândalo, satisfeito por deixar os sentimentos fraternais de Cisneros tomarem o lugar dos factos, o golpe na reputaçom dos Cisneros foi considerável. O efeito sobre a economia do país foi muito pior. O governo Rafael Caldera despejou 12 por cento do PIB de 1994 na estabilizaçom do sistema financeiro do país. A fuga de capitais e a desvalorizaçom da moeda levaram a taxas de inflaçom de mais de 70 por cento e cortes ainda mais profundos nas despesas públicas.

Os movimentos de Cisneros para retirar os seus bens da Venezuela agora estavam à velocidade máxima. Ele vendeu a sua operaçom Pepsi à sua rival Coke -consternando os sentimentais de mercado e comprovando mais uma vez que nom há honra entre ladrons- e os supermercados Maxys e Cada a uma cadeia colombiana; livrou-se até mesmo da Spalding. E reinvestiu os lucros nos supermercados Pueblo Xtra com base nos EUA, com lojas em regions menos perturbadas como a Florida e Porto Rico, e começou a mover seus fundos para fora dos antigos veículos de consumo em massa -supermercados, burgers, gelados, shampoo- e para dentro dos geradores de rendimentos de umha nova era: televisom, telocomunicaçons, internet, música popular e, naturalmente, os seus acompanhamentos, refrigerantes e cervejas.

Desta liquidaçom, a Venevisión ficou dispensada. Ela tinha provado o seu valor através dos êxitos internacionais das suas telenovelas, as quais na decada de 90 escaparam ao limitado mercado latino-americano e encontrar um nicho por todo o globo. A sua fórmula pegajosa demonstrou-se irresistível: uma estória, lágrimas com soluços, drama emocional e blocos de pornografia suave. Com base neste triunfo, Cisneros tinha grandes esperanças de comprar no mercado americano de televisom, com sua audiência de milhons de latinos. Seu amigo Emilio Azcárraga, dono da Televisa do México, já tinha feito umha entrada no mesmo na década 80, montando uma companhia conhecida como Univisión, mas fora forçado a vendê-la em 1986 após uma discussom com a Federal Communications Commission americana acerca da sua propriedade estrangeira. Quinze anos mais velho que Cisneros, Azcárraga era aliás umha figura semelhante a ele: filho de um magnata local, que consolidou e expandiu o negócio da família numa operaçom pan-latino-americana. Bachelet menciona as frequentes viagens em iate de Azcárraga para ver Cisneros na República Dominicana. Cisneros agora propunha uma joint venture entre ele próprio, Azcárraga e um parceiro americano, para aplacar a FCC. O negócio foi rematado em 1992, e a Univisión começou a difundir para latinos nos EUA o cardápio -telenovelas, talk-shows vazios, 'notícias'- que se originara na Venezuela e no México. Isto pode ser considerado imperialismo cultural em reverso, mas na prática a programaçom já estava altamente americanizada, e agora era simplesmente vomitada sobre uma audiência latina já familiarizada com a receita. Ironicamente, a Venevisión agora era obrigada a introduzir uma dimensom multi-étnica nos seus programas - totalmente inabitual na atmosfera racista branca de Caracas, mas umha condiçom sine qua non na cultura contemporânea dos Estados Unidos.

Em 1996 o governo coxo de Caldera foi forçado a virar-se para o FMI. O brutal 'Acordo Venezuela' eliminou controles de preços, entre outras cousas, e a inflaçom subiu para mais de 100 por cento. No fim do ano a pobreza generalizada era de 86 por cento e a pobreza extrema de 65 por cento. Fôrom dias de insegurança para Cisneros. Ele logo tomou o comando da Univisión partilhada com Azcarraga e, com os Estados Unidos na cintura, começou a comprar estaçons de TV na América Latina, nomeadamente a Chilevisión no Chile e a Caracol na Colômbia. Em 1995 montou a DirectTV como umha joint venture com a Hughes Communications, um ramo da General Motors. Apesar de entrar no mercado ao mesmo tempo que a Sky de Rupert Murdoch, o qual já figera um acordo com a Televisa e a Globo de Roberto Marinho, no Brasil, dentro de cinco anos a DirectTV tinha mais de uma milhom de assinantes. Foi nesta etapa que Cisneros voltou sua atençom para a internent, lançando a sua joint venture para estender a cobertura da AOL à América Latina.

No momento das eleiçons de 1998 a elite política venezuelana já estava totalmente desacreditada. Preso durante dous anos após o golpe fracassado, Chávez tinha ganho considerável apoio popular devido à sua rejeiçom da ortodoxia neoliberal e defesa aberta dos pobres -nessa altura a massa da populaçom. Ele ganhou o poder em Dezembro de 1998, com 56 por cento dos votos. Cisneros estava entre os oligarcas financeiros do país com a esperança de que aquele oficial nom experimentado pudesse ser curvado à sua vontade. Na noite das eleiçons eles encontraram-se de modo amistoso nos estúdios da Venevisión, e Bachelet relata conversaçons posteriores com o novo presidente nas quais Cisneros manifestou seu apego à solidariedade social. Numa reuniom que Bachelet nom menciona, Cisneros sugeriu que um dos seus homens tomasse conta da Comissão Nacional de Telecomunicaçons, um organismo regulador do Estado que podia fazer muito para ajudar os esquemas da Organización Cisneros. Chávez recusou a oferta. Ele planeava impulsionar o seu programa para regenerar o país sem a assistência dos seus tradicionais dominadores, políticos ou financeiros. Em Novembro de 2001 ele apresentou uma molhada de legislaçons sobre reforma agrária, hidrocarbonetos e segurança social. Cisneros juntou-se logo à cada vez mais estridente oposiçom da elite, queixando-se que o país fora tomada por um populista autoritário, e prognosticando desgraças económicas contínuas -provocadas, muito antes da eleiçom de Chávez, por uma série de governos que eles tinham apoiado.

Cisneros foi um membro central do grupo que planeou a derrubada de Chávez de Abril de 2002. Na noite de 11 de Abril, depois de Chávez ter sido removido do Palácio de Miraflores a ponta de armas, os principais conspiradores reuniram-se no apartamento de Cisneros na Venevisión (para Bachelet, que procura distanciar Cisneros do golpe aprovado pelos EUA, aquele era simplesmente o lugar onde 'líderes políticos, homens de negócios, líderes sindicais e intelectuais apareciam em tempo de crise'). No princípio da manha seguinte Pedro Carmona, chefe da confederaçom patronal, anunciou na TV de Forte Tiuna, a principal base militar na capital, que era o novo presidente -para grande surpresa de Cisneros, segundo Bachelet, que também considerou desnecessário mencionar que no dia seguinte, 13 de Abril, Cisneros foi a Miraflores, já rodeado por uma multidom irada a exigir o retorno de Chávez. Carmona acabara de anunciar o encerramento do Congresso e do Supremo Tribunal, bem como a supressom da Constituiçom. Cisneros, ao chegar com representantes dos media locais, sugeriu que a estratégia de comunicaçons do novo governo deveria ser deixada nas suas maos. Carmona aceitou agradecido. Poucos minutos depois de a delegaçom de Cisneros deixar o Palácio, contodo, os soldados da Guarda Presidencial retomaram-no, detendo alguns dos líderes do golpe enquanto Carmona escapava.

Mais uma vez nom relatado por Bachelet, Cisneros deu ordens aos seus canais para nom apresentarem notícias do contra-golpe, nem mostrarem imagens das dezenas de milhares de pessoas a descerem das cidades de casebres para assegurar o retorno do 'seu' presidente -descritos por Bachelet como "umhas poucas contra-demonstraçons em favor do deposto chefe de estado". Durante o resto do dia, os écrans de Cisneros foram preenchidos por velhos filmes e desenhos animados. As notícias dos eventos na capital eram apresentadas só pela CNN. O retorno de Chávez ao poder em 14 de Abril nom dissuadiu Cisneros e outros apoiantes da oposiçom de tentarem um novo golpe, desta vez através da organizaçom de uma paragem da indústria petrolífera do país, em Dezembro de 2002. Chávez sobreviveu tanto à paragem petrolífera -que custou ao país cerca de US$ 6 mil milhons- como a um subsequente referendo revogatório em Agosto de 2004.

"Chegará o dia", declarou Chávez em Maio de 2004, no princípio da campanha do referendo, "em que teremos umha equipa de juizes sem medo que actuará de acordo com a Constituiçom e aprisionará estes senhores da mafia como Gustavo Cisneros". É, naturalmente, a existência de um governo Chávez radical, que apresenta umha alternativa para o projecto de livre mercado ao qual Fuentes e muitos da antiga esquerda latino-americana endossaram, que explica a ode rococó do novelista liberal ao bilionário da extrema-direita. Visto através dos binóculos servis de Fuentes, Cisneros é um modelo de cidadao, um visionário e empreendedor 'global'. O vendedor de soap operas, loiras e shampoo é louvado por criar um negócio cultural na América Latina "comparável em profundidade e resiliência" à estética e tradiçons literárias do continente. Seus prosaicos negócios imobiliários em Madrid "aboliram o oceano". Foi "um defensor da língua castelhana no coraçom da América anglófona". Nas suas relaçons com negociantes americanos, Cisneros foi "un adelanta" -o pleno aventureiro espanhol da era colonial- "das relaçons de benefício mútuo". Acima de todo, quando "obrigado a desempenhar um papel político na sua Venezuela nativa", Cisneros proporcionou um "centro democrático" contra o presidente eleito, aqui (previsivelmente) comparado a Hitler, Mussolini e Perón. Nengumha mençom é feita à forma que tomou esta magnânima intervençom -o golpe de estado de 2002 que tentou por abaixo a democracia na Venezuela, com a Venevisión como um actor principal naqueles eventos, no écran e fora do écran, e o próprio Cisneros como um dos principais baralhadores do pacote.

Em retrospectiva, o entusiasmo de Fuentes por Cisneros nom é de todo surpreendente. Como filho de um diplomata mexicano, Fuentes pertence ao mesmo mundo transcultural do empreendedor venezuelano. Ele também pode ser americano em Nova York quando a ocasiom exige, ou europeu em Paris e Madrid. A sua viso, preconceituosa das tradiçons revolucionárias da América Latina tornou-se mais pronunciada com o passar dos anos e tinge claramente a sua atitude em relaçom a Chávez, condenado mesmo antes de a Revoluçom Bolivariana começar. Tal verrina, muitas vezes com um toque abertamente racista ou elitista, é bastante comum entre a elite amimalhada e americanófica da América Latina e também entre alguns da sua esquerda intelectual.

Ironicamente, desde o fracasso do derrube do presidente no referendo revogatório de 2004, o adelantado Fuentes parece ter assumido umha visom mais cínico-realista. A ameaça de Chávez sempre repousou na sua capacidade para apresentar uma alternativa ideológica ao Consenso de Washington, apoiada por umha real, ainda que desigual, extensom de condiçons sociais, suas medidas redistributivas mal tocaram as fortunas que Cisneros e seus afins colheram dos venezuelanos comuns, através de décadas de corrupçom estatal e de bancos apaniguados. Ainda em 2004, Cisneros projectou uma reuniom com Chávez por intermédio de Jimmy Carter. Se Chávez organizasse uma entrada para Cisneros junto ao governo Lula no Brasil, a propaganda anti-governo da Venevisión seria acalmada. Cisneros desde entom avançou as suas obras de semi-caridade na Venezuela, muitas delas fiscalizadas pola sua esposa -um "magnífico aliado", nas palavras de Fuentes -cujas colecçons de arte europeia e latino-americana do expressionismo abstracto serviu para proteger a Organizaçom Cisneros com um verniz cultural. Sempre alerta para mudanças de modas, Patty Phelps da Cisneros ficou interessada nos povos tribais do Orinoco, convidando celebridades para o seu campo de férias junto ao rio e acumulando uma enorme colecçom de arte e artefactos indígenas. A sua preocupaçom pela área compara-se àquela do seu marido, que possui uma mina de ouro no estado vizinho da Guiana, desenvolvida com a Gold Fields Ltd, umha companhia sul-africana.

Mas se Cisneros avançou em relaçom ao seu panegirista, em troca proporcionou um favor a Fuentes, um favor que certamente ultrapassa o valor nominal que o escritor cobrou para escrever o prólogo: é o de um personagem da vida real cuja biografia imitou a sua própria ficçom. Nengum novelista poderia pedir maior elogio. Pois a figura central da mais famosa novela de Fuentes, A morte de Artemio Cruz, publicada em 1962, é um retrato de Cisneros avant la lettre: um homem que aproveita as suas oportunidades onde elas possam surgir como negociante corrupto e rico, soldado ao poder através das suas fábricas, seus jornais, seus contactos e sua fortuna, adquirida através de:


empréstimos a curto prazo e altos juros a camponeses em Puebla, cujo crescimento você prevê; hectares para sub-divisom na Cidade do México, graças à intervençom amigável de cada um dos que se sucediam como presidente; o jornal diário; a compra de acçons mineiras; a formaçom de empresas mexicano-americanas nas quais você participou como homem de fachada...

Toda umha parede do seu gabinete está coberta pelo mapa que mostra o conjunto e as inter-relaçons da sua rede de negócios: o jornal na Cidade do México, e a imobiliária ali e em Puebla, Guadalajar, Monterrey, Culiacán, Hermosillo, Guaymas e Acapulco. As minas de enxofre em Jáltipan, as minas em Hidalgo, as concessons de madeira em Tarahumara. A cadeia de hoteis, a fundiçom de tubos, o negócio da pesca. As operaçons financeira, os haveres de acçons, a administraçom da companhia formada para emprestar dinheiro ao caminho de ferro, a representaçom legal de firmas norte-americanas, a directoria de casas bancárias, as acçons estrangeiras -corantes, aço e detergentes, e uns poucos ítens mais que nom aparecem sobre a parede: quinze milhons de dólares depositados em bancos em Zúrique, Londres e Nova York.

Quando Cisneros finalmente também jazer sobre o seu leito de morte, talvez invoque os momentos finais do seu alter ego:


Sim, você terá saudades ... vinte bons anos, anos de progresso, de paz e progresso entre as classes ... vinte anos de líderes trabalhistas submissos, de greves rompidas, de protecçom para a indústria. E agora você levantará as suas maos para o seu estômago e sua cabeça com grisalhos cabelos castanhos, para sua face oleosa, e verá a si próprio reflectido no vidro de cima do seu gabinete ... como todos os sons subitamente fugiram, rindo, dos seus ouvidos, e o suor dos homens redemoinhará em torno de si e seus corpos o sufocaram, e você perderá a consciência ... e nom saberá quais acontecimentos da sua vida passarám para a sua biografia, ou quais seram suprimidos e escondidos, você nom saberá ... embora esteja a recordar-se de outras cousas, de outros dias ... dias quando o destino o farejará como um cam de caça e o descobrirá e o aterrorizará.


Voltar à página principal