Abrente Editora apresenta novo livro de Carlos Taibo

12 de Julho de 2006

Nos próximos dias estará nas livrarias o novo ensaio de política internacional de Carlos Taibo, professor de Ciência Política na Universidade Autónoma de Madrid e colaborador habitual das iniciativas da esquerda soberanista galega.

Trata-se de Misérias da globalizaçom capitalista, a segunda obra de Carlos Taibo publicada pola editora do nosso partido, umha vez que já em 1998 a Abrente Editora publicara A nova desordem internacional. Desta vez, Carlos Taibo oferece umha visom geral e analítica do palco geopolítico internacional, com destaque para a globalizaçom capitalista como contexto das novas agressons do imperialismo contra os povos.

A nova obra de Carlos Taibo tem 126 páginas e está disponível ao preço de 12 €. Podes pedi-la através do nosso portal ou nas livrarias habituais. A seguir, adiantamos o índice e o limiar redigido polo próprio autor, como melhor referência para saberes o que vás achar no interior:

Limiar de Misérias da globalizaçom capitalista

Carlos Taibo

Abrente, a editora desta obra, publicou-me em 1998 um livro que, intitulado A nova desordem internacional, recolhia um feixe de ensaios em que, com maior ou menor êxito, o autor procurava retratar os principais debates internacionais registados no decénio final do século XX. Os companheiros da Abrente pedírom-me há uns meses o que em princípio havia de ser umha actualizaçom da obra mencionada. Após ter examinado o texto em questom, cheguei à conclusom de que pouco sentido fazia enfrentar, nesses termos, a tarefa correspondente: ainda que amiúde nos escape, o mundo está a experimentar mudanças tam rápidas e radicais que quem escreve está na obrigaçom de aceitar que a maioria dos textos do livro primitivo se referiam a matérias que, de interesse indiscutível no seu momento, com o passar do tempo perdêrom boa parte du sua condiçom de actualidade. Assim os factos, a minha decisom foi argalhar um texto -o que o leitor tem nas suas mans- que, por completo novo, tentasse pôr sobre a mesa as principais polémicas que se revelam neste polémico início do século XXI.

Mal faríamos em esquecer que a virada de século permitiu, de um lado, o final de umha fase de relativa indeterminaçom na política exterior norte-americana -simbolicamente marcada, talvez, polo que se adoita chamar intervencionismo humanitário- em proveito da geraçom de fórmulas claramente mais agressivas que tem, polo que fai agora, a sua principal manifestaçom nas intervençons desenvolvidas no Afeganistám, primeiro, e no Iraque, depois. Esas fórmulas vem-se acompanhadas, aliás, pola conflituosa expansom da lógica da globalizaçom capitalista, que ratifica muitas das tensons que no passado identificamos com o imperialismo mais tradicional. Assim as cousas, o leitor poderá comprovar em seguida que nas páginas desta obra se presta atençom a questons de relevo dificilmente contornável. É o caso dessa globalizaçom de que falamos há um momento e das resistências, muito agudas e novidosas, que tem provocado. Também o é da condiçom de umha grande potência planetária, os Estados Unidos, que se manifesta em simultáneo singularmente agressiva e portadora de um sem-fim de problemas que provavelmente provocarám, antes ou depois, situaçons de crise. Nom podiam faltar consideraçons sobre um debate que pola primeira vez se revela com conteúdos claramente críticos entre nós, como é o relativo à Uniom Europeia e ao seu Tratado Constitucional. Interessamo-nos também, aliás, por umha questom que precisa com urgência de balanços: o acontecido na Europa Central e Oriental, e nomeadamente na Rússia, nos últimos quinze anos, os posteriores à desapariçom do muro de Berlim.

Talvez nom seja preciso justificar porque tem sentido se preocupar polos grandes problemas da situaçom internacional destas horas. Nom sobeja, porém, lembrarmos, mesmo invocando um lugar comum, que os diferentes espaços geográficos cada vez estám mais interrelacionados e som vítimas de maiores dependências. Assim, em mais de um sentido, ocupar-mos do que acontece longe de nós e multiplicar o conhecimento relativo ao que ocorre entre nós mesmos... e sentar o alicerce para dar satisfaçom, no nosso cantinho singular, das tarefas que nos correspondem no que atinge a umha transformaçom que, cada vez mais necessária, por momentos é evidente que nom pode ser outra cousa que radical.

Índice

1. O que é a globalizaçom capitalista?
2. Os movimentos de resistência frente à globalizaçom capitalista
3. Os Estados Unidos, e o Planeta, no início do século XXI
4. Para repensar criticamente a Uniom Europeia
5. O Tratado Constitucional da Uniom Europeia: um comentário impertinente
6. Quinze anos depois da desapariçom do muro de Berlim

Anexos

1. Dez razons para recear dos Estados Unidos
2. O Iraque depois da legitimaçom dispensada pola ONU à intervençom exterior

 

Voltar à página principal

 

 

Capa do novo título incluído na Colecçom Internacional da Abrente Editora, da autoria de Carlos Taibo. Clica em cima para a veres em maior tamanho