Pedras anónimas destroçam escudo fascista que presidia a casa do Concelho de Ferrol

23 de Julho de 2006

No passado dia 20 de Julho, a vidraça franquista que preside a sede municipal de Ferrol, apesar de existir umha decisom institucional unánime de 1995 para a sua retirada, foi alvo do lançamento de numerosas pedras que impactárom no escudo fascista.

Os diversos grupos municipais debatem-se agora entre a reabilitaçom da destroçada vidraça ou a sua eliminaçom definitiva. O PP é o principal valedor da restauraçom, enquanto os acobardados grupos da oposiçom evitam qualquer compromisso na questom.

A seguir, reproduzimos o escrito anónimo remetido ao nosso portal em relaçom com esta nova acçom antifascista das muitas que durante este Ano da Memória tentam reabilitar as vítimas e eliminar a imposiçom da iconografia do franquismo em território galego:

 

"Na madrugada do 20 de Julho de 2006, -coincidindo com o 70 aniversário da adesom dumha boa parte da oficialidade do exército e da armada espanhola ao levantamento fascista que converteu Ferrol e as comarcas de Trasancos e Beçoucos num rio de sangue operária e popular, foi danada a vidraça franquista da Cámara Municipal da cidade departamental.

Um “katyusha” de pedras danou o desprezível símbolo que honra a ditadura fascista que se impujo pola força das armas à legalidade republicana.

Esta sabotagem antifascista é o contributo dos sectores mais avançados da classe operária de Ferrol a todos e todas @s trabalhadores/as do noroeste da Galiza asassinad@s polo fascismo entre 1936 e 1975. Às centenas de homens e mulheres que perdêrom a vida polo seu compromisso com a emancipaçom social e a libertaçom nacional, desde os primeiros, os operários Júlio Sás e Tomé Fontes em Agosto de 1936, até Moncho Reboiras em Agosto de 1975.

A presença de simbologia fascista na cidade de Ferrol, após ter sido governada polo PSOE, IU e o BNG, além das diversas expressons da direita e extrema-direita espanhola, exprime o carácter antidemocrático do actual regime que padecemos, continuaçom natural dos 40 anos de ditadura.

Nem Juan Blanco, nem Jaime Belho, nem Juan Juncal executárom o acordo plenário de 1995 que decidiu retirar a simbologia fascista de Ferrol. Nom tivérom coragem, nem vontade política porque ou bem som uns fascistas seguidores do pistoleirismo falangista, ou bem uns acobardados e oportunistas sipaios. PSOE, PP, BNG, IU, IF som cúmplices do terrorismo fascista.

Nom vamos descansar até retirarmos o último símbolo fascista de Ferrol e comarca.

Desde hoje Ferrol e a Galiza estám mais limpas, som mais livres e estám menos contaminadas por um passado que nom devemos nunca esquecer.

Até que a Galiza se despreenda do terror colectivo que empapa geraçom após geraçom o coraçom e a subjectividade de centenares de milhares de homens e mulheres que nom esquecem o holocausto galego, nom poderemos ser um povo livre e emancipado.

Esta acçom também pretende contribuir para superar os traumas colectivos que arrastamos e mostrar sem ambigüidades e complexos que a luita é o único caminho para atingirmos os objectivos d@s que nom morrérom em balde.

Contra o fascismo nem um só minuto de trégua!
Simbologia franquista fora da Galiza!

Viva Galiza ceive, socialista e nom patriarcal!


Ferrol, Comarca de Trasancos, 21 de Julho de 2006"

 

Voltar à página principal