Feminismo galego sai às ruas

8 de Março de 2007

Sabotagens a empresas que exploram mulheres

Ao longo desta tarde tivemos conhecimento de acçons anónimas de sabotagem coincidentes com a jornada do Dia da Mulher Trabalhadora, consistentes no lançamento de tinta e a escrita de legendas de denúncia contra a exploraçom das mulheres, como se vê nas duas imagens que acompanham estas linhas.

De resto, e como vinhemos informando, diversas iniciativas feministas decorrem nesta semana um pouco por toda a Galiza. Já informamos do acto simbólico organizado pola Assembleia de Mulheres do Condado, que também difundiu um manifesto que podes ler aqui com motivo do 8 de Março e convocou umha concentraçom para hoje às 20:30h em Ponte Areas.

Também as Mulheres Nacionalistas Galegas (MNG) participa em actos como o debate previsto amanhá, dia 9, em Vigo "Pola aboliçom da prostituiçom", junto a umha representante da associaçom Alecrim.

No dia 16 de Março, polas 20 horas, na Casa das Mulheres de Vigo, será estreado o documentário "20 anos desafiando o patriarcado", dedicado às duas décadas de activismo feminista das MNG.

Por outra parte, um grupo de mulheres de NÓS-UP concentrou-se hoje mesmo na Corunha, em frente da sede do INEM na avenida Fisterra, para denunciar a discriminaçom laboral que as mulheres trabalhadoras galegas padecem. A discriminaçom salarial acrescentada das mulheres foi o principal motivo do protesto, que incluiu o despregamento de umha faixa com a legenda "Nom mais precariedade laboral para as mulheres galegas".

Por seu turno, a Marcha Mundial das Mulheres convocou para hoje mesmo concentraçons em Cee (Costa da Morte), Compostela, Ferrol (Trasancos) e Vigo, às 20 horas, e na Corunha e Ponte Vedra (às 20,30 horas), sob a legenda "Elege: compartilhar ou discriminar".

Cee, às 20:00 hrs, na Praça 8 de Março.
Compostela, às 20:00 hrs, na Praça 8 de Março.
Corunha, às 20:30 hrs no Obelisco.
Ferrol, às 20:00 hrs, no Cantom.
Ponte Vedra, às 20:30 hrs, na Praça 8 de Março.
Vigo, às 20:00 hrs, na Praça de Portugal.

De Primeira Linha, fazemos um chamado à adesom maciça aos actos convocados nos diversos pontos do País polas mais diversas entidades do feminismo galego, em apoio à imprescindível luita antipatriarcal.

 

Voltar à página principal