AGIR apela à superaçom de sectarismos em defesa da galeguizaçom do ensino

8 de Novembro de 2006

A entidade estudantil independentista AGIR respondeu à convocatória excluente promovida pola Mesa pola Normalizaçom Lingüística para hoje nos centros de ensino, sublinhando que devem mudar as atitudes e possibilitar assim respostas unitárias e plurais em defesa dos direitos lingüísticos.

AGIR critica o "mau exemplo" do acontecido à volta da paralisaçom das aulas concovocada para hoje, que finalmente correspondeu, em solitário, à Mesa pola Normalizaçom Lingüística, dado que também Galiza Nova e os CAE se sentírom excluídas e manipuladas.

A entidade de estudantes independentistas explica no seu comunicado que "tentou superar o isolamento forçoso, trasladando o nosso mal-estar primeiro através de um escrito enviado a meados do mês de Outubro e depois numha reuniom mantida com representantes da Mesa, em que manifestamos a nossa aposta no encontro e a coordenaçom quando se dam citas pretensamente plurais e nacionais como a do 8 de Novembro".

AGIR critica a política de exclusom praticada pola Mesa pola Normalizaçom Lingüística, dependente sempre de directrizes partidárias sectárias que excluem por princípio a participaçom da esquerda independentista.

O comunicado conclui com um apelo dirigido à Mesa, a Galiza Nova e aos CAF-CAE, para que se produza um "reconhecimento mútuo" no campo do trabalho em favor da língua, bem como um diálogo "sem dirigismos de nengumha classe", "sem necessidade de tutelas".

Recomendamos a leitura integral do comunicado de AGIR, pendurado no web nacional da organizaçom estudantil independentista.

 

Voltar à página principal