Porrinho: outra mulher assassinada

26 de Fevereiro de 2007

Umha mulher de 25 anos é a nova vítima mortal da violência machista na Galiza. Foi no Porrinho e o assassino, um galego de 23 anos que estrangulou a sua companheira, com quem vivia desde há três anos.

Esta nova morte coincide com um relatório que confirma que as doenças mentais e as drogas, quer proibidas, quer legais, só estám na origem de menos de 10% das agressons machistas. Um outro dado significativo é que 94% das mortes acontecidas por agressons em pares sentimentais correspondem a mulheres agredidas por homens, o que situa a essência mesma do patriarcado como sistema opressivo contra as mulheres como ámbito propício para que essa violência estrutural subsista, apesar das boas palavras das campanhas institucionais.

No mesmo sentido aponta o facto de serem homens novos (30 a 45 anos) os que mais agridem, descartando também o tópico de serem homens de idade os que mantenhem o esquema mental e social da propriedade sobre as mulheres. Um último dado que vem desmanchar mensagens como as tantas vezes difundidas por fascistas como Manuel Fraga: é no seio do casal tradicional que se produzem mais agressons (51%).

 

Voltar à página principal