Resposta repressiva militar à exemplar luita popular contra Reganosa

29 de Maio de 2007

As instituiçons públicas espanholas sobem a fasquia da actuaçom repressiva com o envolvimento directo, segundo fontes do Comité Cidadao de Emergência, de um rebocador militar da força naval espanhola, contra a mobilizaçom popular que finalmente evitou a entrada de um novo barco carregado de gás com destino a Reganosa.

A gravidade dos factos repressivos de hoje, incluindo umha pessoa detida e várias feridas pola violenta carga policial no porto de Corujeiras (Ferrol), exige já mais do que umha explicaçom oficial, um apuramento de responsabilidades, nomeadamente a imediata demissom do delegado do Governo espanhol na Galiza, o repressor reincidente Manuel Ameixeiras.

Exemplar luita popular

O movimento popular trasanquês continua a dar mostras de dignidade em defesa do direito à segurança das pessoas e à protecçom do meio natural, bloqueando a entrada do segundo gaseiro que pretendeu hoje chegar a Mugardos para descarregar gás liquado na central de Reganosa.

Às 16 horas de hoje, dúzias de embarcaçons levadas por trabalhadores do mar barrárom a passagem ao "Mourad Didouche", barco de grandes dimensons (274,4 metros de comprimento) carregado com gás, apoiado do ar por um helicótero e no mar por três patrulheiras e diversas embarcaçons da Guarda Civil espanhola. Apesar do despregamento repressivo, os mariscadores conseguírom que o "Mourad Didouche" desistisse de chegar a Mugardos, indo fundear à Ria de Ares.

Em terra, um importante despregamento policial atacou as centenas pessoas concentradas em apoio da acçom cívica dos mariscadores, ferindo várias manifestantes e sendo finalmente detido pola Guarda Civil um mariscador.

Centenas reclamam liberdade para o detido

Posteriormente, umha manifestaçom dirigiu-se ao quartel do corpo repressivo militar em que, no momento de redigirmos estas linhas, a pessoa detida continuava a ser vítima de privaçom de liberdade pola sua participaçom no acto de responsabilidade colectiva contra a ameaçadora actividade em torno de Reganosa.

Queremos daqui manifestar a nossa adesom ao movimento popular contra Reganosa, e apontar directamente as responsabilidades do PSOE, do PP e do BNG na deriva repressiva e abertamente antidemocrática -incluindo a participaçom militar na repressom contra o povo- que estám a tomar os acontecimentos. A defesa dos interesses privados de Tojeiro, de Caixa Galicia, Caixa Nova, Banco Pastor, Endesa e Fenosa por parte das instituiçons públicas e dos partidos vendidos aos mesmos está a atingir o paroxismo.

A resposta popular deve continuar e estender-se, e o novo Governo municipal de Ferrol, integrado por umha força política até hoje contrária à localizaçom de Reganosa em Mugardos (IU) deverá tomar partido claro e urgente em defesa dos interesses da maioria.

 

:: Mais informaçons sobre o mesmo tema

Centenas de pessoas mobilizárom-se em Ferrol contra Reganosa (+...)

Ferrol: convocam concentraçom contra Reganosa este sábado ao meio-dia (+...)

Reganosa: bomba-relógio em período de provas. (+...)

Reganosa, UPG e burguesia trasanquesa celebram conjuntamente a chegada do primeiro gaseiro a Mugardos. (+...)

Ferrol: PSOE recorre à violência policial para defender os interesses de Reganosa. (+...)

Populaçom trasanquesa barra por duas vezes o acesso de um perigoso gaseiro à planta de gás. (+...)

Incêndio num depósito lembra riscos da planta de gás em Mugardos (+...)

Planta de gás em Mugardos: Junta da Galiza defende as ilegalidades e a ameaça ambiental de Reganosa (+...)

 

 

Voltar à página principal